31 de ago de 2011

#EuAmoaNovoConceito

Oi gente!!!
Hoje não teve post por um motivo especial. Estava fazendo meu vídeo de participação do Concurso Cultural #eu♥anovoconceito.
Não sei se ficou bom, espero que sim. Mas adorei participar. Foi bem divertido fazer o vídeo. Espero que gostem.





Aaah!!! Não esqueçam de deixar um comentário me contando sua opinião, ok?
30 de ago de 2011

Resenha - As Confissões de Laura Lucy

As Confissões de Laura Lucy
Fernanda Saads,
Editora Novo Século

Sinopse: Laura Lucy está à beira dos trinta e à beira de um ataque de nervos. De repente, a mulher decidida que pensava ser dá lugar a uma garota cheia de dúvidas diante de dois pretendentes bem-sucedidos, bonitos e charmosos; Sorte no amor e nos negócios é possível? Entre faturas de cartão de crédito, hambúrguer e batata-frita, amor incondicional pelo secador de cabelos e livros de autoajuda, ela tenta se equilibrar e conseguir realizar seus sonhos mais secretos.










Laura Lucy é uma personagem totalmente enrolada. Sabe o que quer da vida, na teoria pelo menos, porque na prática as coisas se invertem, ela mistura tudo e 99,99% das coisas saem errado.
Mora sozinha na cidade grande, em um belo apartamento, tem uma carreira extremamente promissora, lindas roupas e é a felicidade em pessoa. Mas espera aí... Acho que misturei as coisas... Pelo menos uma parte de tudo é verdade. Suas roupas são realmente de arrasar, mas o resto já não é lá essa maravilha toda.
Ela mora sozinha: confere. Mas seu apartamento não tem nada de belo. Seu vizinho tem um gato e ele cisma em fazer "visitinhas" para nossa protagonista em momentos não muito adequados.
Se você abrir os armários da cozinha de Laura encontra macarrão instantâneo e achando bom.
Sua emprego não é o que podemos chamar de emprego dos sonhos. Ela trabalha há muito tempo na Helga, uma grande empresa do ramo da moda, e sonha com o grande cargo de gerente. Mas isso é só um sonho distante...
As contas dos cartões de crédito, água, luz, telefone, condomínio só se acumulam sobre o criado-mudo e Laura não faz a mínima ideia de como se livrar de todas elas ou pelo menos de como pagá-las.
Só que a vida de alguém não pode ser feita só de tristezas certo? É também concordo que não. É aí que a parte romântica e linda entra na estória. Bernardo e Baruk são dois lindos pretendentes a namorados de Laura. E diga-se de passagem os dois são #perfeitos, mas tenho meu preferido #T-E-A-M-B-A-R-U-K
Não sei se estou cansada demais de sobrenaturais ou se agora minha lista de chick-lits aumentou, mas estou lendo alguns ultimamente. E todos que li(dois) não me decepcionaram, pelo contrário.
Só lendo as primeiras páginas já fiquei com aquele gostinho de quero mais. Laura Lucy é uma personagem super engraçada. Além de seus profundos momentos de diálogo - eu diria que é mais um monologo - com seu secador Beto, e seu novo secador Guido.
Sinceramente, acho que não esperava pelo final do livro. Quando vi que faltavam duas páginas para terminar fiquei triste, pois adorei o livro. Pelo menos termina com algumas coisas no ar, e "três pontinhos" indicando que continua. Isso é bom, muito bom!!!
Quanto aos personagens, acredito que não poderiam ser melhores!!! Laura Lucy me lembra um pouco Becky Bloom, mas gostei mais de L. L.. Baruk é lindo de morrer. É rico, inteligente, charmoso e tenho a impressão de que poderia me matar apenas com o olhar. Já Bernardo, não me encantou tanto quanto seu concorrente. Confesso que no inicio torcia por Bernardo, mas percebi que a outra opção era mais a minha cara.
"Quando eu sonhava com a vida perfeita, não imaginava nada disso. Mas agora percebo que a felicidade não está na perfeição das coisas, e sim na maneira como nossos defeitos podem ser superados por uma coisa simples e bonita chamada amor. - Laura Lucy, página 327.
Não sei nada a respeito do segundo livro, mas espero que seja tão lindo quanto esse. Laura Lucy me conquistou com seu jeito atrapalhado de ser e seus pretendentes são uma gracinha.

Nota:



27 de ago de 2011

Finalização das comemorações

Oi gente!!!
Meio atrasada, mas espero que entenda.
Adorei os posts de todos os convidados. Eram 14, mas 2 pessoas tiveram problemas pessoais e me pediram se poderiam participar em uma próxima oportunidade. Abaixo a relação de todos que participaram;

1° dia: A importância de ler - Leandro Schulai
2° dia: Os clássicos - Pamella Santos
3° dia: Blogosfera Literária - Nanie Dias
4° dia: A magia dos livros - Gisele Galindo
5° dia: A República foi proclamada - Rafael Sales
6° dia: Viagem especial - Danilo Barbosa
7° dia: A aventura de um escritor no Brasil - Vanessa Bosso
8° dia: Os romances - Renata Mallmann
9° dia: Escrever é uma arte - Erika Spencer
10° dia: Escrever e ler, ler e escrever, um círculo vicioso - Fabio Brust
11° dia: Twilight - Lais Carlos
12° dia: Quer ser escritor? - Lucy Rangel

Mas, a promoção ainda continua:


E vai até o dia 12 de setembro, mas se vocês forem muito bonzinhos posso pensar em prorrogar.
Aaah, e se você comentar nessa postagem, pode preencher o formulário de participação uma vez. =D




23 de ago de 2011

Décimo segundo dia - Quer ser escritor? - Lucy Rangel





Se até para fazer bolo existem várias receitas diferentes, não seria para ser escritor que teria uma fórmula única. Porém, como muita gente me pede dicas, e aproveitando o convite da querida Nathi para fazer um artigo para o Nathi e seus livros, resolvi escrever sobre alguns dos passos que considero essenciais para quem tem vontade de ser um autor.

1-      Antes de ser escritor, seja um bom leitor. Leia muito, conteúdos de qualidade. E quando digo “qualidade”, não falo de se limitar a clássicos, mas de ler coisas bem escritas. Não se limite, por exemplo, a leitura apenas de fanfics publicadas na internet. Não que não existam (muitas) de qualidade, mas boa parte é literalmente escrita de qualquer jeito, com vocabulários próprios (sabe o “miguxês” e afins? Pois é) e abarrotadas de erros.
2-      Pratique muito, e sempre! Como tudo na vida, escrever é algo que requer prática. Escreva, escreva e escreva, pegue o hábito de sempre passar as ideias para o papel ou computador.
3-      Pare, pense e pesquise. Escrever é uma arte e, como tal, vai bem além de vomitar palavras. Pesquise sobre o tema que você vai escrever, sobre os cenários e características dos personagens, tais como profissão, nacionalidade, religião... Não que você deva escrever uma enciclopédia contando absolutamente tudo sobre cada uma dessas coisas, mas, ainda assim, é necessário tem um bom entendimento sobre os temas, para não deixar furos.
4-      Sim, os personagens tem características diferentes. As pessoas não são iguais, certo? Seus personagens também não devem ser. Tenha em mente as personalidades de cada um deles, para não cair em contradição. Nada de, por exemplo, no início dizer que o cara é super calado, e, páginas depois, colocá-lo fazendo discursos inacabáveis. Alguns escritores gostam de, antes de começar a escrever, fazer uma ficha detalhada de cada personagem. Eu não costumo usar esse método, mas acho que ele pode ser bem útil quando se tem alguma dificuldade na construção do “elenco” de uma história.
5-      Fuja de personagens “Mary Sue”. Pode ser bem divertido usar personagens com características em comum com você (ou com amigos seus. Confesso que faço muito isso), mas nada de se colocar 100% na história. Tem livros em que o protagonista mora na mesma cidade, tem a mesma profissão, a mesma estrutura familiar, as mesmas ideias que o autor. Gente, não dá! Livro de ficção não é autobiografia! Sem contar que isso, muitas vezes, mostra que o autor ainda não tem maturidade literária para sentir o personagem, mesmo ele sendo diferente ou completamente oposto de si. E esta mesma falta de maturidade faz com que, mesmo o protagonista, fique raso o suficiente para não ser sentido pelo leitor.
6-      Aprenda com os erros. Já diz o velho ditado: “errar é humano”. Todos cometemos erros, desde o autor iniciante até o mais conceituado. É exatamente por isso que a figura do revisor é tão importante. Porém, não só de um bom revisor vive um autor. Vamos combinar que um sujeito que escreve pérolas como “menas” e “seje” não vai muito longe em sua carreira. É super chato quando alguém nos corrige, mas é preciso aprender a tirar proveito disso. Preste atenção em seus erros, para não cometê-los novamente. Afinal, como diria a continuação do já citado ditado: “insistir no erro é burrice!”
7-      Não confie no Word. Ele às vezes se engana, e nos engana junto! Porém, isso faz com que ele seja um grande aliado daquele autor que se empenha em estar sempre melhorando. O bendito editor de texto marcou uma palavra? Não corrija de imediato: antes, pense! Viu que você realmente errou? Aí sim, corrija. Acha que está certo? Não, não conte vitória e deixe de corrigir: pesquise! Tenha sempre um dicionário e uma boa gramática (atualizada) por perto, e use-os sempre que tiver alguma dúvida ou algum conflito de opiniões gramaticais com algum leitor, com seu revisor, ou mesmo com o editor de texto. Lembre-se: entre achar que sabe e saber existe um abismo de diferença.
8-      “Vou escrever um livro, ser contratado por uma editora e ficar rico!” Desista AGORA! As chances de você ficar rico, no Brasil, escrevendo um livro são proporcionais a ganhar o prêmio acumulado da mega-sena. A não ser que você já tenha um sobrenome famoso ou seja alguma celebridade instantânea, o seu início será bem parecido com o de todo escritor: gastos, gastos e mais gastos. Sinta-se muito feliz se conseguir ter vendas suficientes para cobrir todo esse prejuízo inicial. É claro que, com uma combinação de talento e muito trabalho (e só uma dessas características não conta, é preciso a combinação delas), você pode conseguir o seu lugar ao sol, mas daí a ficar rico é bem diferente. Pense em todos os escritores vivos, brasileiros e bem sucedidos que você conhece (aposto que deu pra contar nos dedos). Agora leve em consideração que todos eles tem outras atividades, não vivem apenas da vendas de livros. Muitos são jornalistas, tem colunas em jornais... alguns até trabalham na tevê! Quer ser escritor? Faça isso por amor, porque se focar o lucro, desistirá muito rápido.
9-      Não tenha preguiça de reler o que escreveu. Por vezes tal prática é maçante, mas é necessária. Releia seu texto várias vezes. Verá que sempre existe algo a ser corrigido, lapidado, reorganizado ou mesmo excluído. Quando achar que está bom, dê um tempo, dedique-se a outras atividades e depois volte a reler.
10-  Apesar de ter lido tudo isso... Não desista! Se é esse o seu sonho, vá em frente! Afinal, toda realização exige um bocado de esforço e dedicação, não é mesmo? =)

Espero que tenham gostado do artigo escrito às pressas. Agradeço demais a fofa da Nathi pelo convite, e desejo-lhe parabéns pelo aniversário do blog. =)


22 de ago de 2011

Décimo primeiro dia - Twilight - Lais Carlos





Meu Deus, um seis meses já se passaram! A Nathi me chamou para postar no aniversario do Blog dela, que linda *o*
Fico muito orgulhosa de ver que ela conseguiu tanto sucesso aqui por que eu vi ela montando e arrumando tudo! Muito muito feliz mesmo, mas o assunto é livro! 
Vim aqui falar do motivo deu conhecer a Nathi: Twilight! 
É isso mesmo; Ela ganhou uma promoção no site Twilighters mas não pode vir pois era em SP, porém, daí criou-se uma amizade, e Twilight teve esse poder, em todo lugar que se vai tem alguém que gosta da Saga, mas tem gente que também não conhece, então vou resumir um pouquinho aqui:

A saga foi escrita pela Stephenie Meyer e tem uma sequencia de 4 livros que viraram filme! Porém o ultimo, cujo não foi lançado ainda, será dividido em 2 filmes, a parte 1 e a parte 2. 
A história é narrada pela Bella, que se muda para a cidade de seu pai, lá acaba conhecendo Edward Cullen, ele é um perigo para ela, pois, ele é um Vampiro, e sua família não costuma alimentar-se de sangue humano, apenas de animais. Edward fica intrigado com a garota por não conseguir ler seus pensamentos, e disso surge um grande amor, e com isso as dificuldades. Mais tarde Bella descobre que seu melhor amigo Jacob é lobisomem, ela fica em dúvida entre os dois caras da vida dela, mas não adianta, o real amor dela é o Edward! Outro grande desejo de Bella é se tornar imortal, como seu amado e logo mais marido, mas ele insiste em não transforma-la por acreditar que se o fizer, tira a  sua alma! 

Para muitos é uma história boba, porém, com a saga vemos que vale a pena SIM cultivar os pequenos gestos como o companheirismo, o abraço, o valor de um beijo e o sentimento das palavras... O livro é bem escrito, descreve bem as situações... e é isso que importa! É isso que vale! 
Quando se lê um livro, é muito bom imaginar a cena na nossa cabeça, é mágico, é uma coisa que podemos compartilhar! 

Aqui temos ótimas dicas... Eu deixo a minha.
Tenho certeza que a Nathi vai crescer MUITO, e eu vou estar ao lado dela SEMPRE! 
Parabéns Nathi, você é Brilhante.
Leitura é TUDO! Quem tem um livro nunca está sozinho! " 


Nathi meu texto, ficou ruinzinho, desculpa, mas to MUITO ORGULHOSA DE VOCÊÊÊÊÊÊ... PARABÉNS MINHA LINDA!
quero demais que se blog cresça, DEMAIS!

BEijos
<3

Lais Carlos


21 de ago de 2011

Décimo dia - Escrever e ler, ler e escrever, um círculo vicioso - Fabio Brust





Pensei em fazer o título virar um círculo vicioso também, que nunca acabasse e tragasse os incautos leitores deste blog a lerem-no eternamente, sem nunca chegar ao texto. Escrever e ler, ler e escrever, escrever e ler, ler e escrever, escrever e ler; ora bolas, é um troço viciante. Não tem como não tentar continuar escrevendo essas duas palavras em um ritmo contagiante que faria com que todos nós acabássemos pelados e com cocares de índios na cabeça, dançando a conga em uma roda-viva da alegria.
De qualquer jeito, o que eu quero dizer é que escrever e ler (ler e escrever) estão juntos, de uma maneira que poucas coisas estão relacionadas. Além de ler e escrever (escrever e ler), podemos citar... a unha e a carne, a casca e a árvore e o c* e a bunda. E outras coisas também, não duvido, mas como o tema são os livros, acho que é bom manter o foco.
Voltando ao assunto principal, como eu ia dizendo, é difícil, MUITO difícil encontrar um escritor que seja que não lê. Eu sou um escritor, eu vivo(ia) lendo. Agora já está mais difícil. A faculdade me incomoda e... bem, eu sou um vagabundo de marca maior. Por isso ando um pouco negligente a respeito das minhas leituras, mas, em geral, leio. Como eu disse, todos os escritores têm uma espécie de manha para ler. Todos eles, sem nenhuma exceção. Afinal de contas, esses escritores tiveram algum contato com o mundo literário, não é? E certamente ele aconteceu como leitores. Para exemplificar, eu comecei a ler com Harry Potter (como aconteceu com muitas outras pessoas, lógico), e, a partir daí, comecei a me interessar pelos livros e a pensar em escrever por minha conta.
O que me fez ter realmente vontade foi ler que a J.K. Rowling tinha escrito seu primeiro livro com muita pouca idade (não force minha memória, eu não lembro quantos anos ela tinha!), de um coelho chamado “Coelho”. Obviamente eu poderia fazer melhor, no auge dos meus 11 anos, ainda esperando pela minha carta de admissão em Hogwarts.
Minhas primeiras histórias eram, digamos a verdade, uma verdadeira bosta em formato de livro. Quando terminei o primeiro volume de uma trilogia chamada “Diamante Negro”, dei-o a meu pai para ler, e ele largou depois do primeiro capítulo. Minha mãe foi mais persistente, assim como uma professora que forcei a ler e corrigir. Hoje, o livro se encontra dentro de uma gaveta no meu quarto, esperando o momento para ser largado completamente às trevas do esquecimento.
Fato é que só comecei a melhorar na escrita conforme fui avançando em minhas leituras. Abri mão do Harry Potter por ora (já que a decepção de não ser bruxo havia me afetado profundamente, e porque os livros estavam demorando demais para sair), e parti para algumas séries diferentes. Minha primeira série depois da saga do bruxo foi “A Sétima Torre”, de Garth Nix. Foi o livro que me iniciou definitivamente na leitura e me mostrou como havia diversos mundos que eu ainda poderia conhecer e como sempre se poderia encontrar coisas novas para ler e aprender.
Quero dizer, com isso, que o círculo vicioso de ler e escrever (escrever e ler) é muito mais do que uma dança semi-pornográfica na qual estamos nus em volta de uma fogueira havaiana, mas, principalmente, um processo contínuo de aprendizado. É essencial que todos os escritores leiam, acima de tudo. Não só os escritores de livros, mas todas as pessoas que têm a incumbência de escrever, ou que escrevem apenas para o lazer. É necessário reciclar nossas mentes, ler coisas diferentes, nos renovar o tempo inteiro. Não adianta estagnar e acharmos que não temos mais nada a aprender, porque temos. Sempre há algo a ser aprendido e, em muitas vezes, apenas lendo seremos capazes de alimentar nossos cérebros com o conhecimento.
Falei bonito, né?                                                                                          
Fabio Brust, autor de “Agora eu Morro”


20 de ago de 2011

Nono dia - Escrever é uma arte - Erika Spencer



Não é de hoje a grande variedade dos temas que inspiram os escritores a arriscarem seus sonhos e fantasias.
“ESCREVER É UMA ARTE”
Talvez, mas acredito que mais que isso, a escrita é parte de quem escreve. O autor derrama um pouco de sua alma naquilo que transmite aos seus leitores. Entusiasmo criador se encontra em situações cotidianas, num sorriso quente, ao apreciar uma bela paisagem, assistindo um filme cativante, lendo bons livros e até mesmo dormindo! Sim, quando se sonha, e não me refiro a somente “sonhar acordado”, buscamos em nosso interior uma essência adormecida enquanto permanecemos em estado de vigília. Somente desta forma nos encontramos com espaços de nossa mente desconhecidos, muitas vezes.
O escritor, ao deparar-se com seu interior, ouve um pequeno “chamado” em sua consciência e é quase que reflexivo o ato de transmitir ao papel. A cada palavra surge uma nova ideia, e a cada ideia aparecem outras tantas inspirações. Quando se percebe tem um livro nas mãos!
A literatura em si é riquíssima e valiosa em seus ensinamentos, principalmente quanto à técnica e peculiaridades dos diversos gêneros, contudo a doutrina não conseguirá fabricar no autor/artista aquela centelha que o leva a dedicar parte de sua vida transpondo seus pensamentos para a imortalidade de uma obra.
Acredito que o estudo da técnica, associado ao sopro sugestivo da inspiração só podem revelar o lado magnífico que há em cada um de nós.
Portanto, escritores, artistas, pintores, músicos e poetas, sejam bem vindos ao encontro de vossas almas dentro de si mesmos!
Erika Spencer



19 de ago de 2011

Oitavo dia - Os romances - Renata Mallmann







Oi gente!
Aqui é a Renata Mallmann Lopes, também conhecida como Rê ou Guria que Lê, dona do blog que leva este último nome, invadindo o blog da fofíssima Nathi por um dia.  A aniversariante da vez me convidou para fazer parte das festividades suas e do blog, e depois de esquecimentos (ops, confesso!) e falta de inspiração, finalmente saiu algo... hehe!
Bom, falar sobre livros, autores e literatura em geral é assunto pra muito, muito, mas muito papo. Porém, tem sempre algo que se destaca aos nossos olhos (e prateleiras), e para mim, não poderia ser outra coisa se não romance. Isso mesmo, aquelas histórias de acelerar o coração, de fazer sonhar acordado e de dar uma baita inveja daquele perfeito conto de fadas.
Então, aqui vão algumas indicações para os corações apaixonados... de todos os tipos (digno de uma leve... mensagem hehe)!

Daquele tempo bom...
Orgulho e Preconceito, de Jane Austen

Um clássico da literatura inglesa e dos romances de época. Além de ser um incrível desafio para sociedade do século XVIII, Austen tempera sua história com uma protagonista de atitude e um galã tremendamente orgulhoso. E bom, o amor correspondido (e omitido) de ambos, provoca muitas reviravoltas, quando o preço do status e condutas sociais, rouba a cena. Para ler, viajar no tempo e sonhar com um Mr. Darcy nos tempos atuais!!





...onde andar de mãos dadas e sonhar acordado, era o melhor a se querer!
Fazendo Meu Filme, de Paula Pimenta

Ah... esse não poderia faltar. A melhor série brasileira em termos de romance é leitura obrigatória. Por se ambientar nas terras tupiniquins e descrever bem as jovens brasucas, a história é uma semelhança pura com o vivido na nossa realidade. Não tem como não se identificar com a Fani. Leve, cativante e simplesmente envolvente, você vai querer fazer parte deste roteiro. Digno de red carpet e todas indicações do Oscar!








E o ‘calor’ da paixão embalava as noites mais sombrias... *suspiro profundo*
A Irmandade da Adaga Negra, de J. R. Ward

Para os menores de idade, cardíacos, hipertensos e encalhados, já aviso: este livro provoca sérias reações emocionais e vai fazer VOCÊ, literalmente, passar mal lendo. Por isso, um kit de sobrevivência básico como água gelada, ventilador próprio, ar condicionado, e passeios ao ar livre (substituído por aberturas de geladeira/ freezer) deve fazer parte do acompanhamento do livro. Hehe! Brincadeiras a parte, IAN é TUDO de bom. Guerreiros (sarados) destinos a proteger a raça, vampiros viris e completamente... Repito, completamente apaixonados pelas suas mulheres. Quer algo melhor? Só lendo mesmo!




Mas sempre houve aquele sentimento mais forte, maior do que tudo...
A Ultima Música, de Nicholas Sparks

SPARKS! Isso já deveria ser motivo para você largar tudo e ler o livro que consta o nome dele na capa (Mas só depois de ler todo o post, ok? Aguenta aí!!). Neste romance, um dos melhores seus, temos toda a beleza e o descobrimento de uma relação pai e filha, de um amor enfraquecido pelo tempo, mas sustentado por laços mais fortes que momentos de desgosto e raiva. Uma história sobre e para a família! Imperdível! Dica: puxe a caixinha de lenços!!







...que busca estar sempre presente e mais além.
I Heart You, You Haunt Me, de Lisa Schroeder

Livro em versos pode ser um pouco assustador a primeira lida, mas neste caso, compensa cada estrofe. Um casal adolescente apaixonado, vivendo toda a intensidade do primeiro grande amor, até que um trágico acidente acaba separando-os. Ou não. Quem disse que um amor precisa continuar presente fisicamente para ser lembrado? Nesta incrível história, você vai descobrir que um amor vence todas as barreiras. E com a trilha sonora indicada pelo próprio livro, não tem como não se emocionar! Perfeito!






Um sentimento sem preconceitos ou julgamentos...
Desculpe Se Te Chamo de Amor, de Federico Moccia

Uma adolescente e um homem feito. Tirando a óbvia diferença de idade, o que eles teriam em comum? Só o tempo diria. A impulsividade de Niki e a segurança de Alex, transformam DSTCA em um romance moderno, um pseudo conto de fadas da atualidade. Sem esquecer que Moccia é um excelente escritor! De se apaixonar e sonhar com algo igual!









...contra credos, leis e obrigações...
Academia de Vampiros, de Richelle Mead

Eis a minha maior paixão! Falar sobre VA é difícil, então vamos se deter apenas a história. Com uma protagonista NADA convencional, de atitude, mas ao mesmo tempo frágil, Rose já daria um enredo pra lá de bom. Porém, some a isso um Dimitri, guardião sério e bem conceituado (lindo de morrer, convenhamos!) e pronto, temos um romance – proibido – perfeito. E como tudo que é bom pode ficar melhor ainda, adicione um bad boy metido a galã, Adrian, e agora sim... SÉRIE PERFEITA! Apesar de não ser apenas romance e contar com uma boa dose de ação, a série mais famosa da tia Riche conquista e vicia. Essa raça de vampiros é apaixonantes!! <3 Strigoi (Moroi just Adrian!)!

...para superar as adversidades...
Calafrio, de Maggie Stiefvater

Um lobo que te salvou da fúria da sua própria alcateia e que a cada inverno vem lhe ver. Instigante não? Imagina então quando esse mesmo lobo é revelado na pele de um belo jovem? Quando a temperatura começa a baixar, os dois terão que lutar contra o termômetro para prolongar o que promete ser o ultimo inverno de Sam como humano. Coração apertado (e congelado) até a ultima frase! Lindo, lindo, lindo!








...e brilhar através dos tempos!
Crepúsculo, de Stephanie Meyer

Brilho = Crepúsculo! A série de vampiros mais famosa da atualidade é sim um belo exemplo de romance. Opiniões a parte sobre a composição da história em termos de sobrenatural, é inquestionável o incrível trabalho de Meyer em compor um conto de fadas de vampiros, suspirado por muitas meninas. Um amor fofo demais!

Para aqueles que desafiam a lógica e provam um verdadeiro sentimento sabem que, o amor não tem fim, não tem limite e permanece eterno e fiel nos corações puros!
Diário de Uma Paixão, de Nicholas Sparks

Suspira! Esse sim é o MELHOR de Sparks, com todas as letras e honras imagináveis. Noah traduz o modelo ideal de homem perfeito, com todos seus defeitos e qualidades, mas com um objetivo muito maior que ele mesmo: o seu amor eterno por Allie. Contra todas as adversidades possíveis, ele prova que um amor pode sim superar tudo! Extremamente emocionante e envolvente!!


Então gente, era isso! Espero que tenham curtido o post e os livros aqui indicados e que, de alguma forma, vocês tenham sentindo o prazer e a emoção em se ler romances.
Obrigada a Nathi pelo convite e pela oportunidade de conhecer seus leitores. Se quiserem manter contato com essa guria um tanto romântica, podem me adicionar no twitter (@remallmann) e acompanhar o meu baby, o blog Guria que Lê (http://guriaquele.blogspot.com/), que também está de níver (um aninho!) este mês! E parabéns pelo blog, Nathi! Beijos =*


18 de ago de 2011

Sétimo dia - A aventura de um escritor no Brasil - Vanessa Bosso




Quando a Nathi me convidou para fazer parte do post de aniversário, disse que o tema estava em aberto e que eu poderia escolher falar sobre o que quisesse. Logicamente, um tema relacionado à livros.

Resolvi então, trazer a tona uma pergunta que não quer calar. Peguei-me várias vezes em devaneios sobre o assunto. E a pergunta é:

Por que hoje em dia todos querem ser escritores?

Uma minoria quer ser escritor por legitimidade. Por realmente amar escrever e contar histórias. Mas, a grande maioria, pensa diferente disso.

Cheguei a uma conclusão sobre o assunto. O que move grande parte dos novos escritores que estão despontando são: Fama, status, sucesso, dinheiro.

A maioria dos novos autores acreditam que podem se tornar os próximos Meyer e Rowling do mundo. Sinto desapontá-los mas, as coisas não são tão simples assim.

Para começar, essa coisa de fama, status, sucesso e dinheiro é pura ilusão. E para escritores brasileiros, isso é praticamente impossível de alcançar. É mais fácil ganhar na loteria.

Não estou dizendo que não devemos sonhar alto. Claro que devemos! Mas para sonhar tão alto é preciso talento, perseverança, paciência e uma boa dose de autocrítica.

Certa vez, um editor disse para mim: “Vanessa, não pense que ficará rica escrevendo livros.”

Naquele momento, foi como se eu tivesse tomado uma chave de braço, caído ao chão com o editor torcendo meus ossos até se quebrarem. Fiquei muito P... da vida! Não pela verdade do que ele falou, mas, por duvidar da minha capacidade.

Mas o tempo passa e hoje, estando dentro do mercado editorial, vejo que ele tinha toda a razão.

Claro que ainda vou provar que ele estava errado. Nem que seja a última coisa que eu faça na vida! Hahahahahahaha, eu gosto de provar que as pessoas estão erradas! Mas sei que isso demorará anos, talvez décadas para acontecer. E talvez minha filha fique rica com os royalties dos meus livros, não eu. Mas vou fazer acontecer, só por desencargo de consciência!

Vivemos em um país em que pouquíssimas pessoas lêem. E quando digo poucas, quero dizer em torno de 1% da população. E existe um outro dado alarmante: apenas 30% de toda produção nacional efetivamente chega às livrarias. Como vocês esperam ficar ricos e famosos? É uma equação impossível de resolver.

Escrevam por amor à arte! Pelo prazer de criar e contar histórias! Não pensem nos lucros, no sucesso, no status ou na fama. Escrevam para vocês e não visando os louros do trabalho. Agindo dessa forma, estarão sendo verdadeiros consigo mesmo e seus leitores.

Sei que levantei um assunto polêmico. Portanto, se você é escritor ou está escrevendo seu primeiro livro, pense nas palavras ditas aqui. Pense no que você realmente almeja. Se a resposta for: fama, sucesso, status e dinheiro... talvez ser escritor não seja o seu caminho de vida. Agora, se a resposta for a mesma que a minha (tirando o lance que contei sobre provar o contrário para o editor), vá em frente que você está no caminho certo.

Eu escrevo porque amo escrever. Minha alma clama por isso. Eu adoro sentar em frente ao computador e criar histórias originais e loucas. Se algum dia eu atingir alguma visibilidade como escritora, será apenas um resultado positivo. Por que o que realmente importa não é isso. Eu me sinto feliz escrevendo e isso já basta. Bem, bastava, até eu cruzar com àquele editor... hahahahahaha.

Reflitam sobre essas palavras. São duras mas, podem abrir os olhos de alguns iludidos.

Parabéns pelo niver Nathi! Desejo que tenha uma vida iluminada e cheia de conquistas! Você é a minha “adotadora” preferida!

Van Bosso


17 de ago de 2011

Sexto dia - Viagem especial - Danilo Barbosa





Meus caros senhores, apertem os cintos de suas calças e se preparem para a maior jornada de suas vidas!

Confortáveis em suas poltronas? A luz está de acordo?
Pegue o seu livro na mão, abra suas páginas e comece a viagem.

Agora você pode ser quem você quiser - homem, mulher, cachorro, dragão! 
Vivenciar as mais altas aventuras pelos lugares que sua fantasia nunca ousou conceber. 
Deixar o coração bater forte com a descoberta do primeiro amor ou fugir assustado do monstro que está vindo junto com a névoa. Heróis, magos e guerreiros podem lhe guiar por batalhas terríveis e reviravoltas incríveis. Garotas atrapalhadas que sonham que seu príncipe encantado (e acabam por encontrar o sapo!) vão te fazer sorrir, mesmo quando o livro não estiver mais em suas mãos.

Conhecer o universo dos livros é mais que uma doce viagem - é deixar uma marca permanente de saber no seu ser. Porque?
Porque este universo é altamente viciante! A partir do momento que você adquire o conhecimento encoberto pela fantasia de possuir algo tão mágico quanto um livro, você quer saber cada vez mais. Viver outras aventuras, vidas, amores e dores.

Ainda não fez esta viagem? Não perca sua chance...

Faça como eu, a Nathi (parabéns menina!) e tantos outros que abraçam com vontade o doce cargo de ser leitor. Viva muitas vidas em sua vida...
Leia e aproveite a viagem...

P.S.: Adorei Danilo. Verdade, a leitura realmente é uma viagem. Conhecemos mundos novos, personagens novos e histórias novas. E sempre aprendemos algo novo. ;D


16 de ago de 2011

Quinto dia - A República foi proclamada - Rafael Sales




A República foi proclamada!

Saudações leitores.
Sou Rafael Sales e primeiro quero agradecer a Nathi pelo apoio, até mesmo quando não tinha editora para viabilizar a publicação do meu projeto literário, mas graças à força dela e de outros blogs, o Penumbra encontrou uma casa e em breve será lançado pela Giz Editorial e claro pelo convite e oportunidade em escrever para os seguidores desse blog.
Quando ela me “intimou” a escrever algo para o aniversário do blog, pensei em várias alternativas, diversos assuntos, mas nenhum chamou verdadeiramente minha atenção, até conhecer esse grupo de escritores e sua proposta para a profissionalização do autor brasileiro e suas idéias para propagar nossa literatura.
Segundo o James McSill, os brasileiros são mais criativos, verdadeiros autores, mas ainda falta o conhecimento necessário para que os mesmos se tornem de fato escritores e possam em um futuro não muito distante viver de suas obras.
Acredito que muitos dos frequentadores do blog são aspirantes a autores e/ou blogueiros, esse grupo irá trabalhar em conjunto justamente com essas duas “classes”. “Quando um livro nacional é bom, todos ganham, quando ele é ruim, todos perdem.” Afirmou Thiago Ururahy na palestra que apresentou o grupo aos presentes no V Simpósio de Literatura, o Fantasticon.
Quero apresentar para vocês a República democrática que começou a jornada para fincar a literatura nacional de diversos estilos e seguimentos no grande Mercado Editorial.



Nos dias 12, 13 e 14 de agosto, aconteceu em São Paulo à quinta edição do Fantasticon (www.fantasticon.com.br), um simpósio de literatura fantástica. O evento teve encontro com escritores para seção de autógrafos, entrevistas, oficinas literárias, lançamentos e muitas outras atrações, a cobertura completa do evento ficou a cargo da Revista Fantástica (www.revistafantastica.com.br).
Essa edição também marcou o lançamento oficial de um novo grupo de escritores que se uniram em um projeto que promete fazer muito pela literatura nacional, profissionalizar os autores, trazer consciência social e divulgar seus trabalhos.
“Quando juntamos autores profissionais ou em processo de profissionalização, passamos a unir as plataformas pelo bem comum. Algumas centenas de leitores passam a ser muitos milhares. Basta definirmos bem as práticas de divulgação.”, afirma Thiago Ururahy, um dos 6 fundadores da República dos Escritores.

Com o inicio de suas atividades em 12 de maio a República dos Escritores é composta por mais de 20 autores (sendo os 6 fundadores e, atualmente, 17 cidadãos republicanos). Criaram o chamado “Os 10 Mandamentos Republicanos”, uma cartilha que os autores seguem à risca para a preparação de suas obras, visando o mercado comercial brasileiro e estrangeiro. Ela foi criada a partir das aulas de coaching com James McSill, da Mcsill Ltd.( http://www.mcsill.net/new-index.php), consultoria literária sediada em Londres. “A premissa maior é entender o mercado literário como um negócio e não como uma fábrica de sonhos.” As palavras de Felipe Colbert já indicam a proposta profissional do projeto.

Segundo os fundadores, a República dos Escritores tem como principais ideais o fortalecimento da classe dos autores e divulgação de suas obras. A intenção é ser referência em qualidade literária, incentivando o desenvolvimento profissional do escritor e o estímulo à leitura, através de programas de benefícios para a orientação de novos autores e difusão da prática da leitura na sociedade carente.

Em uma conversa rápida, Thiago Ururahy esclareceu alguns pontos dessa fundação.

O que levou formar a República dos Escritores?
- Do próprio James. Ele deu uma ideia embrionária pensando em consolidar a plataforma de todos os autores dele, fortalecendo os autores e aumentando a penetração das obras no mercado. Então fomos atrás de estruturas que já existiam, como o Selo Brasileiro  (http://selobrasileiro.blogspot.com/), e a partir daí criamos um grupo com a nossa cara, nossas ideias.

Como pretendem propagar a leitura em comunidades carentes?
- Através dos nossos Programas de Governo (uma alusão bem humorada sobre os programas reais do Governo brasileiro). Para isso contaremos com a participação de blogs, que indicarão bibliotecas, escolas, creches, asilos, etc. para receberem a chamada “Arca de Livros”. Queremos fazer essa distribuição bimestralmente, enviando os livros de todos os republicanos (fundadores e cidadãos)

Quais são os planos primários para os novos autores. O que farão de diferente na profissionalização dos mesmos?
- Um dos nossos programas que mais nos empolga é o “Tutor Republicano”. A intenção é passar parte dos conhecimentos que os fundadores absorvem após mais de um ano de tutoriais e imersões literárias com o James McSill. Serão sessões de uma hora com tema específico, só o autor e o republicano, para melhor aproveitamento. Ao final do programa todos os autores farão parte de uma antologia organizada pelo selo República dos Escritores.

Como um autor iniciante pode se tornar um republicano e a partir de quando?
- Por convite e aprovação dos fundadores. Hoje, além dos 6, temos cerca de 17 autores que chamamos de cidadãos. Nesse primeiro momento nós convidamos apenas autores que já trabalharam com o James de alguma forma, para facilitar o trabalho nesse início do projeto, Não duvido que esse número chegue perto de dobrar em um ano, caso os autores tenham interesse e aceitem o funcionamento interno do grupo.

Isso terá algum custo para o interessado, sendo que parece um curso de criação literária?
- Não, nenhum. O único “custo” (que eu prefiro chamar de investimento) é em livros que o autor lançar, para participar dos booktours e divulgação para a imprensa. Isso para um cidadão que já faça parte do grupo. Para os autores que queiram participar do Tutor Republicano não há custo algum, a nossa intenção é difundir o conhecimento.

Os escritores fundadores da República são:

Chico Anes:
Formado em Engenharia Eletrônica e Pós- graduado em Marketing. Pesquisador entusiasta e experimentados da Alquimia e Xamanismo. Escreveu o livro “Pirapato, o menino sem alma”. Terminou “O Veneno de Eva”, segundo romance que tem como tema os sonhos lúdicos e a tecnologia. Escreve o terceiro livro com o título provisório de “ A Teoria Poleax”. Oito contos publicados em antologias de ficção fantástica.
Twitter: @chicoanes


Felipe Colbert:
Publicou seu primeiro livro “A Entrevista Ininterrupta” em 2008 pela editora Novo Século. Seu livro foi um dos destaques da Vitrine do Faustão, do programa Domingão do Faustão, em 05 de outubro de 2008. Terminou de produzir o segundo thriller, “Ponto Cego”, ainda inédito de publicação no Brasil e com lançamento confirmado em Portugal.


Fernando Heinrich:
Técnico em Informática e Biólogo, hoje é consultor comercial de serviços e logísticas. Aos 16 anos deu início à criação do seu primeiro livro no Universo Fantástico, atualmente “adormecido”, mas concluído. Publicou em três antologias do gênero fantástico.
Twitter: @RF_Heinrich




Leandro Schulai:
Formado em Processamento de Dados, é analista de faturamento. Em uma redação de para a escola se destacou criando um conto que satirizava os colegas de classe e sua vocação foi despertada. Seu primeiro livro, “O Vale dos Anjos – O Torneio dos Céus parte 1” publicado em 2010 pela editora Novo Século sob o selo Novos Talentos da Literatura Brasileira tendo sua primeira tiragem esgotada em 6 meses. É um dos membros da Revista Fantástica e repórter de seu canal de vídeos “Na Mira dos Livros”
Twitter: @schulai

Ricardo Ragazzo:
Bacharel em Direito hoje atua como administrador de empresas. Aos 20 anos mudou-se para São Francisco, Califórnia, onde estudou inglês e trabalhou por quase um ano, teve contato com o jogo de RPG (Role-Playing Games). Ao voltar ao Brasil, aprofundou-se no assunto criando histórias para serem jogadas sempre pelo mesmo grupo de amigos. Em 2008 criou um blog e, menos de um ano depois, já auto-publicava um livro de contos a.C/d.C (antes destes Contos - depois desses Contos) pela Editora Baraúna. Escreveu seu primeiro thriller de suspense "72 Horas para Morrer" publicado pela Editora Novo Século e com publicação confirmada em Portugal.


Thiago Ururahy:
Formado em Economia, trabalhou no mercado financeiro por 8 anos, até resolver levar adiante sua real vocação: contar histórias. A formação acadêmica e a fascinação por esportes – principalmente baseball e futebol americano talvez sejam as experiências mais marcantes em seus textos, cujo principal objetivo é, além de entreter e dar ao leitor uma opção à velha programação televisiva, basear a sua escrita em pilares da sociedade e do comportamento humano, seja analisando as paixões ou expondo as veias abertas dos grandes erros do passado.
Twitter: @T_Ururahy



Saiba mais sobre a República dos Escritores:


P.S.: Obrigada Rafael!!! Adorei seu post. Sabia da República dos Escritores, mas não tinha noção do que era, nem para que servia. Vou passar a prestar mais atenção. 
É um ótimo projeto para incentivar a leitura, e divulgar a literatura nacional. ;D