24 de jun de 2014

Lançamentos de julho - Editora Novo Conceito

Olá!

O mês de julho já está quase chegando, então está na hora de divulgar por aqui os lançamentos literários do próximo mês, certo? Começando pela Editora Novo Conceito. :)

Desafio - Trilogia Desafio #1
C. J.  Redwine

Sinopse: No interior das muralhas de Baalboden, à sombra do brutal Comandante da cidade, Rachel Adams guarda um segredo. Enquanto as outras garotas fazem vestidos e obedecem a seus Protetores, Rachel é capaz de sobreviver nas florestas e de manejar uma espada com destreza. Quando seu pai, Jared, é declarado morto em uma missão, o Comandante designa para Rachel um novo Protetor: Logan, o aprendiz de seu pai, o mesmo rapaz a quem Rachel declarou o seu amor há dois anos, e o mesmo que a rejeitou. Com nada além da forte convicção de que seu pai está vivo, Rachel decide fugir e encontrá-lo por conta própria. Mas uma traição contra o Comandante tem um preço alto, e o destino que a aguarda nas Terras Ermas pode destruí-la.
O Beijo - Bruxos e Bruxas #4
James Patterson e Jill Dembowski

Pode conter spoilers dos livros anteriores.

Sinopse: No quarto livro da série Bruxos e Bruxas, Whit e Wisty, agora membros do Conselho, estão tentando reconstruir a cidade depois de derrotar O Único Que É O Único, o vilão mais malvado do mundo. Quando tudo parece correr bem, surge uma nova ameaça, personificada na figura do cruel Rei da Montanha. Ele é um mago indestrutível, que deseja a todo custo dominar a cidade. Sem água e prestes a ficar sem alimentos, a população conta com os irmãos Allgood para sobreviver. A aventura e o suspense fazem o leitor prender a respiração a cada vez que um capítulo termina. Mas, com um título como esse, não poderia faltar romance no novo livro de James Patterson... Wisty está encantada pelo jovem Heath, que compreende tão bem os seus dilemas afinal, ele também é um bruxo. Talvez Wisty possa se unir a Heath na guerra contra o Rei da Montanha. Mas o que será que Whit acha disso? Se você ama romance, mistério e ação, O Beijo é o seu livro! Páginas muito intensas, desfechos surpreendentes... Mais uma prova de que James Patterson é o maior autor da sua geração.   
Minha vez de brilhar
Erin E. Moulton

Sinopse: Em uma noite, Indie faz um pedido para uma estrela. Ela quer muito reencontrar a sua lagosta de estimação, e também quer que sua irmã Bibi volte a gostar dela. Mas ter os seus desejos realizados pode exigir dedicação integral! Indie trabalha no teatro durante o dia, mostrando a Bibi e seus amigos o quanto ela pode ser útil. À noite, ela procura sua lagosta perdida, e para isso conta com a ajuda de seu novo grande amigo, Owen. Tudo vai bem até que Bibi e sua turma começam a pegar no pé de Owen, o maior exemplo de nerd e futuro loser. Será que Indie vai conseguir manter em segredo sua amizade com Owen? Será que, para ser uma pessoa melhor, Indie precisa mesmo ser diferente?
Em meus pensamentos - Os Sullivans #8
Bella Andre

Pode conter spoilers dos livros anteriores.

Sinopse: Em uma noite, Indie faz um pedido para uma estrela. Ela quer muito reencontrar a sua lagosta de estimação, e também quer que sua irmã Bibi volte a gostar dela. Mas ter os seus desejos realizados pode exigir dedicação integral! Indie trabalha no teatro durante o dia, mostrando a Bibi e seus amigos o quanto ela pode ser útil. À noite, ela procura sua lagosta perdida, e para isso conta com a ajuda de seu novo grande amigo, Owen. Tudo vai bem até que Bibi e sua turma começam a pegar no pé de Owen, o maior exemplo de nerd e futuro loser. Será que Indie vai conseguir manter em segredo sua amizade com Owen? Será que, para ser uma pessoa melhor, Indie precisa mesmo ser diferente?  
A máquina de contar histórias
Maurício Gomyde

Sinopse: Na noite em que o escritor best-seller Vinícius Becker lançou A Máquina de Contar Histórias, o novo romance e livro mais aguardado do ano, sua esposa Viviana faleceu sozinha num quarto de hospital. Odiado em casa por tantas ausências para cuidar da carreira literária, ele vê o chão se abrir sob seus pés. Sem o grande amor da sua vida, sem o carinho das filhas, sem amigos... O lugar pelo qual ele tanto lutou revela-se aquele em que nunca desejou estar. Vinícius teve o mundo nas mãos, e agora, sozinho, precisa se reinventar para reconquistar o amor das filhas e seu espaço no coração da família. Uma história emocionante, cheia de significados entrelaçados pela literatura, mostrando que o amor de um pai, por mais dura que seja a situação, nunca morre nem se perde.
Man repeller - Repelente de homem
Leandra Medine

Sinopse: Em seu primeiro livro, a badalada blogueira e queridinha do mundo fashion conta suas divertidas memórias. Com jeito insolente, uma franqueza desconcertante e fotos de seu arquivo pessoal, Leandra compartilha detalhes da noite em que perdeu a virgindade, quando esqueceu de tirar as meias soquetes brancas, e descreve o momento em que percebeu que a clutch Hermès vintage da sua avó, feita de pele de avestruz, poderia guardar muito mais do que a chave e o celular. Leandra é a prova de que não precisamos trair nosso estilo repelente nem mesmo ao procurar o vestido de noiva (que pode ser muito bem ser combinado com uma jaquetinha perfecto de organza). Exibindo as opiniões originalíssimas de uma blogueira que ganhou milhões de fãs, este livro reúne experiências divertidas e meio bizarras, uma história amor superdoce e, acima de tudo, um lembrete para celebrarmos um mundo que é feito pelas mulheres e para as mulheres.

23 de jun de 2014

Resenha - Nove noites e um sonho de outono

Nove noites e um sonho de outono

Lesley Livingston

Editora: Gutenberg
Ano de Publicação: 2014
Tradução: Angela Tesheiner e Cláudia Santana Martins 
ISBN: 9788582350225
N° de páginas: 316
Comprar: Americanas
Nota: ♥♥♥♥ (4/5)
Sinopse:
Kelley Winslow está vivendo seu sonho. Aos 17 anos de idade, ela se muda para Nova York e começa a trabalhar em uma companhia de teatro. Ela ainda é, claro, apenas uma assistente e eventual substituta; a companhia é de terceira categoria e está a quilômetros da Broadway. Mas um dia as coisas começam a mudar: a atriz que interpretaria a protagonista Titânia em Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare, sofre um acidente, e Kelley tem uma chance de assumir o papel principal. E é nesse mesmo dia que ela passa a perceber que o mundo mágico é mais real do que pensava.
Ao ensaiar no Central Park para conseguir o papel, ela conhece um lindo jovem chamado Sonny Flannery e mergulha em uma aventura que nunca poderia ter imaginado. A atração entre os dois é imediata, mas o rapaz é, na verdade, um dos guardiões do portátil de Samhain, que dá passagem para o outro mundo. A casa solstício de inverno, o portal se abre, e a cada nove anos ele permanece aberto durante se últimas nove noites do outono. E é nesse breve tempo que Kelley, ao descobrir sua verdadeira descendência, se vê ameaçada por uma terrível trama, que coloca em perigo o mundo real, o mundo encantado e a promessa de viver um amor verdadeiro.
Sejamos bem verdadeiros por aqui: a primeira coisa que chama a atenção de qualquer um é essa capa linda de morrer. E antes mesmo de ocorrer qualquer raciocínio lógico, você já está desejando-o com todas as forças do seu ser.

Já que estamos contando a verdade, vamos continuar por essa linha de pensamento. Narrativas com seres mitológicos já ficaram tão velhas, que estão ficando novas de novo - sim, o mundo da voltas. E por essa razão, deveriam ser mais valorizadas, não? Ainda mais quando se mistura Shakespeare no meio. E, olha que pode parecer que não, mas dá certo!

Caso o título não dê a entender o suficiente, Nove noites e um sonho de outono tem como base a clássica peça teatral Sonho de uma noite de verão. E como base, e não me refiro apenas à Kelley sendo uma das personagem na peça dentro do livro, mas sim à mitologia utilizada na narrativa sendo a mesma do livro de Shakespeare. 

Por uma sorte mais do que imprevista, nossa protagonista Kelley, recebe um dos papéis mais importantes - Titânia, a Rainha da corte de Verão - da peça na qual trabalha. Ela se mudou para Nova York para realizar esse sonho, certo? Sim, mas ela tem um "pequeno" - leia-se enorme - problema de nervosismo e, logo no seu primeiro dia, começa a misturar as falas, incluindo até falas de outras peças. Ela resolve então ir ao Central Park para ensaiar, e lá ela acaba conhecendo Sonny, que é um tanto quando misterioso.

Nesse momento a narrativa começa a se desenrolar, deixando de ser apenas um drama de adolescente comum, para incluir a parte fantástica no meio, já que Kelley descobre que nem tudo que está nos livros, fica apenas nos livros.

Preciso dizer que, por incluir Shakespeare no meio da narrativa, a autora me fisgou em pouco tempo. São muitas as histórias baseadas em Romeu e Julieta - que é, inclusive a base do segundo livro da série \ô/ -, mas são raros os livros que variam um pouco. E, posso dizer que a escolha não poderia ter sido melhor.

Sarcasmo e ceticismo permeiam a narrativa de Nove noites e um sonho de outono, principalmente vindos de Kelley e Sonny - que é uma gracinha, diga-se de passagem -, mas não se preocupe, porque nem só de comédia vive a narrativa. Um pouquinho de suspense aqui, uma pitada de romance de lá e várias reviravoltas, fazem com que esse livro seja quase perfeito. Quase porque, vou te contar, o cliffhanger do final, dá aquela vontade básica de se jogar de um penhasco - olha, acho que eu deveria parar com essa piada, mas ela nunca fica velha para mim, ok? hahaha


12 de mai de 2014

Resenha - Todo Dia

Todo dia

David Levithan

Editora: Galera Record
Ano de Publicação: 2012
Tradução: Ana Resende
ISBN: 9788501099518
N° de páginas: 277
Comprar: Submarino
Nota: ♥♥♥♥♥ (5/5)
Sinopse:
Toda manhã, A acorda em um corpo diferente. Não há qualquer aviso sobre quem será ou onde estará em seguida. De menina a menino, rebelde a certinho, tímido a popular, saudável a doente; A precisa se adaptar.
Já se acostumou com isso e até criou algumas regras para si. Primeira: nunca se apegar; segunda: jamais interferir. E tudo corre bem... até que A desperta no corpo de Justin e conhece sua namorada Rhiannon.
A partir desse momento, as regras pelas quais tem vivido não fazem mais sentido. Porque, finalmente, A encontrou alguém com quem quer ficar; dia após dia, todo dia. Mas como esperar que uma pessoa que sempre viveu uma vida normal possa entender a realidade de A? Ou até mesmo acreditar nela?
Enquanto lutam para se reencontrar a cada 24 horas, ambos precisam enfrentar seus próprios demônios, superar suas limitações e redefinir suas prioridades. Rhiannon conseguirá ficar com alguém que muda a cada dia? E até onde A acha justo (ou ético) interferir nas vidas de quem habita? Mas, principalmente, o amor pode mesmo vencer qualquer barreira?
No primeiro dia de A que acompanhamos, A está no corpo de Justin, um adolescente meio badboy, meio drogado, e por ser um dia de semana, nada mais óbvio do que se levantar e ir para a escola. Lá ele conhece a namorada de seu "hospedeiro", Rhiannon, e resolve lhe dar um dia diferente. Os dois dirigem até a praia, onde passam o dia conversando e namorando; Porém, A não percebe, pelo menos não no começo, que mudou a vida de Rhiannon completamente.

Ela estava acostumada a um namorado duro e insensível, e de uma dia para outro, encontrá-o com atitudes completamente diferentes. Justin, apenas naquele dia, faz coisas que jamais fez por Rhiannon em todo o tempo que namoraram, mas ela não ousa dizer isso e possivelmente acabar com todo o encanto. O que ela não sabe é que, no dia seguinte, Justin voltará a ser apenas o velho Justin.

Não foi só Rhiannon que foi modificada com a presença de A no corpo de Justin. A também se sente diferente. Pela primeira vez em toda a sua vida, tem alguma coisa na qual se conectar. Começa então uma jornada diária para encontrar Rhiannon e tentar convencê-la de que A é A, independente do exterior.

Talvez você tenha reparado, que na maior parte do tempo evitei o uso de palavras que possam determinar o sexo de A, mas essa é uma peça chave do passado do personagem: nem ele/ela sabe. A é uma figura mutável, e se adapta ao ambiente e ao corpo do dia, apenas escolheu se chamar A para ter um resquício de identidade pessoal, já que a cada dia é uma pessoa diferente.

A narrativa  foi a primeira coisa que chamou minha atenção quando comecei a ler Todo Dia. A forma como livro foi separado, não em capítulos, mas por dias - que de certa forma são capítulos, mas tudo bem - faz com que a leitura flua melhor, já que a maior parte deles são bem curtinhos, e a história de "só mais um capítulo antes de dormir" dura a noite inteira, até que chegue a última página e o leitor fique com gostinho de quero mais.

As melhores partes - pelo menos para mim - foram as mais emocionantes - no sentido de tristes mesmo. Como A não sabia nunca em que corpo iria acordar, cada dia era uma caixinha de surpresas. E em alguns desses dias, A não acordava em corpos digamos, agradáveis. E justamente nesses dia, que seu "hospedeiro" passava por um dia ruim, era onde tínhamos ampla visão da profundidade da história. Não se trata apenas de mais um romance impossível adolescente, pois A, em apenas um dia pode experimentar um pouco do que seria uma vida normal, uma vida meio conturbada ou ainda uma vida completamente dilacerada.

Diferente da maior parte do YAs por aí, é difícil e fácil ao mesmo tempo se identificar com A. A nunca é uma mesma pessoa duas vezes, sendo assim praticamente não tem nada que identifique o personagem como sendo um ser humano comum. Porém, talvez seja essa a intenção do autor, já que os adolescente da mesma idade de A - entre 16 e 18 anos - tem a mesma dificuldade de se encontrar, de saberem quem realmente são e o que realmente querem.

Sendo assim, foram necessárias várias semanas de reflexão para que eu conseguisse chegar a uma opinião definida sobre Todo Dia. O final é, por falta de palavra  melhor, doloroso. Com o coração partido e lágrimas nos olhos é difícil pensar com clareza. E por vários dias fiquei relembrando a narrativa, até que consegui chegar a uma nota digna: Não poderia ser diferente de 5 estrelas. Simplesmente leia, mas prepare uma caixa bem grande de lenços, pois chorar é meio que inevitável.

Resultado - Perto de Você


Oi! \o/

Finalmente voltei, mais uma vez, de novo! Depois de uma semana indo dormir às 5 horas da manhã, estou renovada e pronta para recomeçar.

E para isso, aqui vai o resultado da promoção de Perto de Você. ♥


Parabéns! O e-mail já foi enviado e você tem 3 dias para responder de volta com o seu endereço. Caso contrário será realizado outro sorteio. :)


23 de abr de 2014

Resenha - Então, conheci minha irmã

Então, conheci minha irmã

Christine Hurley Deriso

Editora: Gutenberg
Ano de Publicação: 2014
Tradução: Cristina Calderini Tognelli
ISBN: 9788582351284
N° de páginas: 237
Comprar: Fnac
Nota: ♥♥♥♥ (4/5)

Sinopse: 
Summer Stetson não conheceu sua irmã. Sua mãe engravidou assim que Shannon morreu, aos 17 anos, em um terrível acidente de carro. Ao longo de sua vida, Summer acostumou-se a ouvir seus pais repetirem o quanto a irmã era perfeita, amada e boa filha, e por isso sempre acreditou que fosse uma decepção constante para a mãe controladora e o pai apático.
Em seu aniversário de 17 anos, recebe da tia um presente inusitado: o diário que Shannon escreveu até o dia de sua morte, e que foi guardado sem que os pais soubessem. Ao ler aquelas páginas com o intuito de saber mais sobre a irmã, acaba descobrindo alguns segredos, e a cada revelação, sobre a família e sobre si mesma, entende que a verdade pode ser, por vezes, dolorosa, mas nunca deixará de ser libertadora.
Com essa capa bonitinha e seu jeito meio de auto-ajuda - não é nem um pouco auto-ajuda, mas essa sinopse meio que dá a entender que seja - Então, conheci minha irmã conquista pelo simples motivo de não focar simplesmente no drama familiar. 

Summer sempre viveu a sombra da irmã Shannon. Apesar de nunca terem se conhecido, sua casa mais parece um hall da fama de sua irmã mais velha. Enquanto a parede destinada as honrarias concedidas à Summer - que diga-se de passagem, se resumem a prêmios de consolação e certificados de participação - as muitas paredes para Shannon são preenchidas por fotos, prêmios, medalhas e todo o resto. 

Porém, quando Summer completa 17 anos, atingindo assim a idade que Shannon tinha quando morreu, recebe como presente de sua tia, o diário que sua irmã mais velha escreveu no último verão de sua vida. Mas o que Summer encontra é bem diferente do que sempre imaginou que Shannon escreveria: em suas últimas férias, ela passou por um período um tanto quanto sombrio; se envolveu com o badboy e a menina mais, digamos, drogada da escola, e perdeu totalmente o rumo que sua vida tinha até então.

A medida que Summer lê o diário, percebe que toda a pressão que sua mãe super-controladora colocava sobre Shannon - e coloca agora sobre ela - foi o que desencadeou a mudança drástica de atitude de sua irmã. Mas as maiores descobertas que ali se encontram, não são sobre sua falecida irmã, mas sim sobre seus pais.

Antes do acidente, sua mãe frequentava um clube do livro, a igreja e fazia muitas atividades que hoje nem dá sinal de um dia ter gostado. Porém, a "novidade" mais significativa diz respeito ao seu pai. Por ser bastante calado e introspectivo nos dias atuais, Summer nem poderia imaginar o que ele fez de tão ruim para ameaçar a estrutura da família perfeita-Stetson.

Por não focar apenas no drama que a família de Summer sofreu - e sofre até hoje - com a morte de Shannon, Então, conheci minha irmã consegue fluir e ser até bem engraçadinho. Gibson, ou Gibs para os íntimos, é o melhor amigo de Summer e o personagem que faz toda a magia acontecer. Por ser todo nerd e atrapalhado, consegue fazer rir e dissipar o clima pesado que permeia a narrativa.

Mesmo não tento o final perfeito, até porque os personagens tiveram uma mudança de atitude muito abrupta nos últimos capítulos, a narrativa de Christine flui justamente pela presença de um personagem engraçado - Gibs - para contrabalancear o tema forte e dramático, que é o foco principal da narrativa. Pode ser lido tranquilamente em um dia, e sem dúvida não é um tempo mal aproveitado.

4 de abr de 2014

Playlist da semana


Hey!

Finalmente voltei com a playlist dessa semana! \o/ Descobri novas bandas/cantores, e tenho várias músicas para mostrar para vocês. <3

Então chega de enrolar, e vamos ver as músicas que estou mais do que viciada nessa semana.

Dreams - Gabrielle Aplin ft. Bastille: Já contei para vocês que a soundtrack de Reign é no momento, a maior fonte de músicas para as minhas playlists? Não? Então contei agora. Dreams toca em uma cena beeem dramática no episódio Dirty Laundry - 14 - e deixa o clima ainda melhor. Fora que essa música consegue combinar dois cantores que amoamoamo. Precisa de mais?

Let Her Go - Passenger: Essa coisa meio folk, meio indie, meio pop sempre me conquista, e gente que coisa linda a letra dessa música! ♥ Shazam seu lindo! Sempre me fazendo descobrir músicas novas. Quando não as identifico de algum lugar, sempre acho alguma sugestão mais perfeita que a outra. De qualquer forma, me apaixono cada vez mais por Passenger cada vez que a escuto.


Riptide - Vance Boy: Como eu disse acima, Reign com a sua soundtrack maravilhosa, nos faz morrer de amores. E Riptide está aí para provar como nem só de drama vive a série. Sendo folk/indie e amor eterno, tenho vontade de sair dançando por aí quando escuto essa música.


Counting Stars - OneRepublic: Dá licença que agora vou falar sobre a minha música preferida dessa playlist. Não consigo deixar de amar Counting Stars! Essa é daquele tipo de música que você escuta tanto que enjoa, e depois de umas horinhas volta a escutar de novo e enjoa de novo, fazendo isso em um looping eterno. ♥♥♥♥

The One That Got Away - The Civil Wars: Quando descobri essa música na soundtrack de Ravenswood - que milagre não ser de Reign também, mas não vem ao caso - passei pelo menos uma semana cantando-a para todo o canto. E quando baixei, continuei escutando eternamente.

Say Something - A Great Big World: Essa é mais uma das músicas que o Shazam me sugeriu. E posso dizer que foi uma sugestão certeira. Mesmo sendo mais calminha, só com esse piano de fundo como instrumento principal, nos deixa ainda mais apaixonados. E fora que esse clipe tem os idosos mais fofinhos do mundo. :'(

Dear Darlin' - Olly Murs: Essa o Shazam só me indicou o cantor, e acabei descobrindo no Vagalume mesmo. Geralmente as músicas do Olly são mais animadinhas, e talvez por isso eu goste tanto de Dear Darlin', por ser assim menos agitada - não chega a ser lenta, mas não é tããão pop - e com mais violino e piano de fundo, além de ter essa letra mais tristinha.

2 de abr de 2014

3 séries que já foram tarde


Não é raro uma série ficar no ar por tanto tempo que a narrativa se perde completamente. Ou algo acontece que acaba por estragar todo o resto que já nos tinha sido apresentado anteriormente. 
Mas, em alguns casos, as coisas já começam ruins, e não há produtor ou ator famoso, que recupere a audiência.

The Secret Circle:
A série entrou na grade da CW como uma nova série da mesma autora de The Vampire Diaries. Até que começou mais ou menos, mas quase no meio da primeira temporada a coisa começou a desandar de verdade, e quando finalmente a série foi cancelada ainda na mesma temporada, 99% das pessoas que ainda estavam insistindo por pura teimosia mesmo - e eu me incluo nessa porcentagem -, levantaram as mãos para o céu.
A forma como tudo estava sendo apresentado, desde os personagens até a mitologia de bruxas que foi criada; depois de passada a empolgação com o começo de um novo seriado, se mostravam mais do que monótonos. A falta de carisma e química entre os bruxos do "Círculo Secreto", tornavam os 45 minutos de cada episódio uma tortura quase física. Além disso, a Cassie era tão sem sal e donzela em perigo ao mesmo tempo, que dava um soninho...
Por fim, quando decidi abandonar de vez, já não conseguia sentar e assistir todo um episódio logo de cara. Assistia 5 minutos e ia tomar água. Assistia outros 10, e ia ver Bob Esponja ou qualquer outra coisa. Só aí dá para sentir o drama! 

The Lying Game:
Pelo jeito, trazer outra série de livros de uma autora já conhecida por uma série famosa - no caso Pretty Little Liars - não dá certo.
The Lying Game começou com um plot bem legal, sendo diferente mas sem fugir da zona de conforto da Sara Shepard, com intrigas, mortes, ameaças e todo o resto: As irmãs gêmeas Sutton e Emma que foram separadas ainda bebês, se reencontram pela internet e decidem trocar de lugar para tentar encontrar sua mãe biológica. Porém, elas tinham vidas completamente diferentes. Enquanto Sutton foi criada por uma família rica, Emma vivia fugindo de suas famílias adotivas.
Acontece que, a audiência nunca foi muito alta e foi realmente um milagre que a série tenha chegado à segunda temporada. Com o tempo os episódios não evoluíam e os personagens pareciam estagnados com os mesmos problemas e dúvidas. Sendo assim, eu acabava nem sentindo falta de assistir, e por fim meio que abandonei.
Esse ano, nas férias decidi que terminaria de assistir, e posso dizer que apesar do cliffhanger que ficou no último episódio - já que a série não foi cancelada, só não foi renovada - não vou sentir a menor falta.

House M.D.:
Por mais que me doa falar isso, House acabou muito depois do que deveria.
Tudo ia bem, na medida do possível, porque o House é tão imprevisível que nada nunca está completamente bem ao seu redor. Porém, algum roteirista - ou todos eles, vai saber? - teve a "brilhante" ideia de transformar o que antes não passava de provocações mais, digamos, "picantes" entre colegas de trabalho, em um romance. Eles já tinham feito isso antes com o Foreman e a 13 e tudo foi meio que pelos ares, sendo que eles nem eram os personagens principais da série. Então, já era de se imaginar que tudo fosse dar errado.
Apesar de ser um romance bonitinho e tudo o mais, o House e a Cuddy só funcionavam na teoria. Estava mais do que óbvio que não ia prestar. E não prestou. Mesmo que a atriz que interpretava a Cuddy tivesse que sair do seriado, não precisava ser tão dramático como foi.
Como sempre o House surtou loucamente e acabou sendo preso. Posso dizer que os episódios na prisão não foram de todo ruim, mas logo que ele saiu de lá, nada voltou a ser como antes.
E como se isso já não fosse o bastante, ainda precisavam colocar a maior ironia de todos os tempos! Um oncologista tendo câncer não é lá uma piada de humor negro muito boa, e com isso, o que já não estava bom ficou ainda pior. 
Até que não odiei o final, mesmo porque a história foi finalizada e tudo, mas poderia ter sido melhor. </3
1 de abr de 2014

Promoção - 1° de Abril



Não gente, isso não é uma pegadinha de 1° de Abril! Mais uma promoção aqui no blog! YAY! \o/

E dessa vez eu trago para vocês um livro de uma série que eu sei que bastante gente gosta, Perto de Você da Bella Andre, da série Os Sullivans.

Para ganhar Perto de Você é muito simples, basta preencher o formulário abaixo e cruzar os dedos. Boa sorte! ♥


Importante:
  • É necessário endereço de entrega no Brasil;
  • Todas as informações requisitadas serão conferidas, e quem não estiver seguindo todas as regras será desclassificado;
  • O sorteio será feito pelo Rafflecopter e o resultado será divulgado no blog, em até 7 dias após o término da promoção;
  • O ganhador tem um prazo de 72 horas após a divulgação do resultado para entrar em contato com o blog e enviar o endereço;
  • O prêmio será enviado para o ganhador no prazo de 30 dias;
  • Não nos responsabilizamos por extravios cometidos pelos Correios.

31 de mar de 2014

Resenha - Poseidon

Poseidon

Anna Banks

Editora: Novo Conceito
Ano de Publicação: 2014
Tradução: Carolina Caires Coelho
ISBN: 9788581633152
N° de páginas: 285
Comprar: Extra
Nota: ♥♥♥♥(4/5)

Sinopse:
Além da beleza fora do comum, com seu cabelo quase branco e seus olhos cor de violeta, Emma chama a atenção por ser um pouco desajeitada. Ela não se sente muito à vontade em lugar nenhum... e não sabe que sua misteriosa origem é a fonte dessa sensação. 
Galen, príncipe dos Syrenas, vasculha a terra procurando uma garota especial, capaz de se comunicar com os peixes — e que poderá salvar seu reino. Quando ele se encontra com Emma, a conexão é imediata: embora não saiba, Emma parece ter o dom que Galen procura. Mas, então, por que ela não conseguiu salvar sua melhor amiga do ataque do tubarão? 
Cabe ao príncipe convencer a teimosa Emma a enfrentar sua real natureza e aceitar o desafio. E nada pode impedi-lo de alcançar seu objetivo.
Definitivamente eu sou muito fácil de se comprar. Afinal de contas, eu consigo adorar 90% dos livros que têm um bom toque de comédia e o cara da dupla de personagens principais, carismático. Essas duas coisas vão me conquistar logo de cara, e o resto do livro pode ser uma bela porcaria que eu vou dar pelo menos umas 3 estrelas. Mas, é claro que o livro precisa ter conteúdo para passar de 3,5 estrelas; e pela nota que dei para Poseidon já dá para ver que esse é um bom livro.

Me permito dizer que em si, as coisas que acontecem ao longo da narrativa são bastante previsíveis. Eu já sabia porque a Emma é do jeito que ela é - não dá para contar o quê exatamente sem dar um belo de um spoiler - desde o começo, só pela forma que a autora apresentou os fatos. Então, a última página de Poseidon não foi lá uma grande surpresa.

Mesmo sendo bem fácil adivinhar tudo que vai acontecer - sem precisar de bola de cristal ou sem ser a Mãe Diná - consegui acordar meus pais de tanto rir. Tanto Galen quando Emma são bem sarcásticos, e a falta de tato quando o assunto é o romance, torna o casal principal um show a parte, já que um tem uma impressão bem diferente do que o outro realmente é.

- Tudo que vi foi Toraf, o parceiro da minha irmã, meu melhor amigo, beijando a minha... minha...
- Sua o quê?
- Aluna. - Obsessão. [...]
- Pelo tridente de Tritão, Emma. Você gostou ou não?
- Você se lembra do S. Pinner, Galen? Da aula de História Mundial?
- O que isso tem a ver com o que aconteceu aqui?
- Amanhã é segunda-feira. Quando eu entrar na sala do Sr. Pinner, ele não vai me perguntar se eu gostei do beijo de Toraf. Na verdade, ele não vai nem se preocupar em saber o que eu fiz o fim de semana todo. Porque eu sou aluna dele. Assim como sou sua aluna, lembra?
Páginas 159 e 160
Ao mesmo tempo em que a tensão que rola entre os personagens principais - e eu não me refiro apenas ao Galen e a Emma, mas como a Rayna e o Grom, irmãos do Galen e Toraf, parceiro meio forçado da Rayna - é o foco principal da narrativa, foi um dos motivos porquê Poseidon perdeu uma estrela. Ao mesmo tempo que é uma tensão boa, vira mimimi e vice-versa.

O outro motivo foi que a autora tentou deixar implícito como funciona a hierarquia das casas de Poseidon e Tritão - alguém mais viu uma quase cópia de Percy Jackson aqui? - nas falas dos personagens, coisa que não funcionou em boa parte da narrativa. Uma leitura menos atenta faz com que o leitor não consiga compreender como isso funciona. Li resenhas por aí, em que o blogueiro teve que pegar um papel para anotar quem está em guerra com quem, quem ama quem e quem tem que acasalar com quem.

Prefiro não entrar em detalhes no que se refere as características, ao relacionamento e a própria hierarquia a qual me referi no parágrafo acima, afinal de contas, achei bem divertido entender aos poucos como essas coisas funcionam no livro, além de entender melhor a história dos Syrenas - que odeiam ser chamados de sereias, btw - em si.

Se você tirar a parte sobrenatural, Poseidon consegue ser um livro bem clichê pelo tema principal e se analisarmos cada um dos personagens separadamente. O conjunto da obra no entanto, tem lá os seus encantos, e consegue prender o leitor até o final - além de dar uma bela dor de barriga de tanto dar risada. ♥


13 de mar de 2014

3 séries que retomei e acabei me arrependendo de um dia ter parado


A lista de séries vai aumentando e às vezes fica difícil manter todas em dia. Novas séries entram para a watchlist, e aquelas que não são prioridades acabam ficando para trás.
Ano passado deixei algumas de lado, mas esse ano nas férias - cadê as próximas? - consegui voltar a assistir todas! \o/ Então, resolvi contar para vocês três dessas séries que voltaram para a watchlist com honra ao mérito. ♥


Arrow

Com seu ship eterno que não desenrola nunca e me deixa a ponto de arrancar cada um dos meus fios de cabelo, Arrow voltou a fazer parte das séries que assisto regularmente por culpa de uma simples notícia: incluíram o Flash na história.

Tudo bem que o Barry Allen/Flash acabou ficando poucos episódios, mas isso rendeu uma série só para ele. ♥ Fala sério, ele é lindoperfeitomaravilhosonerdgracinha! Tudo assim, desse jeito, sem espaços mesmo.

Mas o que mais me surpreendeu foi que Arrow deu uma boa evoluída depois que o Diggle e a Felicity passaram a fazer parte do Team Oliver.
A parte bem-humorada fica por conta da nerd de computadores mais gracinha de todos os tempos, Felicity, e seu crush secreto/mas nem tão secreto assim pelo Oliver e suas tentativas de ser tão badass quanto o resto da equipe.


Teen Wolf

Há bastante tempo, sendo mais exata no primeiro episódio da primeira temporada, comecei a assistir Teen Wolf por falta de coisa melhor para fazer. Mas quando a mesma acabou, minha animação foi junto. E acontece que desde de 2011 a série evoluiu muito.
O acréscimo de personagens, de novas culturas e mitologias com toda certeza me deixou ainda mais animada para voltar a assistir, já que os comentários sobre como Teen Wolf estava linda, perfeita e maravilhosa não foram suficientes. Ah, e não podemos nos esquecer de que, sem sombra de dúvidas, essa é a série com a maior cota de personagens sem camisa/com tanquinho da minha watchlist. Calculo que seja uma média de 3 tanquinhos por episódio. *apenas com calor*
Claro, voltando ao plot principal, as coisa ficaram bem mais legais quando os lobisomens deixaram de ser os únicos personagens sobrenaturais da série - se claro, você excluir o Jackson, que era um kanima na primeira temporada, mas isso não vem ao caso - e pessoas que não mudam de forma passaram a fazer parte do elenco fixo. 
E por último, mas não menos importante, o melhor acréscimo das três temporadas: cultura/mitologia japonesa e Segunda Guerra Mundial. Melhor combinação impossível. E foi a partir desse momento que passei a virar madrugadas assistindo/devorando Teen Wolf. ♥
Só uma pergunta... Eu mencionei os gêmeos que precisam ficar sem camisa para se transformarem e que estão em quase todos os episódios há algum tempo? Só checando mesmo! hahaha


Once Upon a Time

Deus sabe porque eu fiquei quase um ano inteiro parada com Once Upon a Time... Ou na verdade, eu sei. 
Essa história começa em um tempo obscuro, quando eu ainda baixava todas as minhas séries e o vício incontrolável por The Vampire Diaries chegou ao seu ápice, o que não me deixava ver mais nada. 
Eis que então descobri as séries online e agora o vício, e consequentemente a watchlist, cresceu absurdamente. E felizmente voltei a ver a minha linda Once Upon a Time. ♥
A primeira temporada é meio enrolada mesmo, mas com paciência consegui chegar a melhor parte da série, e agora não consigo mais deixar de assistir o episódio o mais rápido possível. A história ficou bem melhor a medida que novos personagens foram acrescentados - leia-se Hook - e o passado dos personagens principais ficava ainda mais intrincado.
Acontece que agora, mal posso esperar pela volta de Once Upon a Time - na verdade já voltou, mas essa semana está tão corrida que ainda não tive tempo de assistir :(. O último episódio foi muito choroso e cheio de emoções. Ainda não processei todos os acontecimentos, mas com certeza a volta será ainda melhor já que tem Hooooook! ♥♥♥♥


5 de mar de 2014

Resultado - Promoção Olho por Olho

Oi!

Andei meio sumida, mas voltei para soltar o resultado da promoção do livro Olho por Olho. E se você não ganhou, não precisa ficar triste! Em breve teremos novos sorteios. :)


Parabéns! O email de contato já foi enviado, e você tem até 3 dias para respondê-lo com seu endereço. Caso contrário, haverá outro sorteio.


19 de fev de 2014

3 séries que ficaram quase insuportáveis


Está se tornando cada vez mais comum encontrar nas redes sociais da vida mais e mais pessoas comentando que desistiram/estão pensando em desistir de alguma série. Pessoas que antes se diziam super fãs de alguma série, hoje não podem mais ouvir o nome da mesma que já expressam uma cara meio de desprezo, meio de cansaço. Aquela típica cara de "CHEGA!" E, no post de hoje, resolvi listar 3 séries, que mesmo que eu goste, estão me deixando à beira do ataque de nervos, e não é no bom sentido.


Não me levem a mal, eu ainda gosto de The Walking Dead, mas toda a "magia" do começo da série foi se esvaindo aos poucos. Claro, em uma série apocalíptica, a morte de personagens - principalmente os favoritos - é inevitável, mas o foco principal da série já foi deixando de lado há muito tempo. 
Zumbis já não são mais a maior preocupação, a sobrevivência também não. Aparentemente, os sentimentos dos personagens são os guias da série, e nada mais importa, porque se tem pudim, está tudo certo.
Desde o começo foi assim: a melhor parte do episódio ficava para o final, sendo assim, o expectador se sentia obrigado a assistir o episódio seguinte; mas nem isso está conseguindo me prender a série como eu me prendia antes. 
Cada episódio mais morno do que o anterior, e apenas Daryl carregando a série nas costas, uma hora a casa cai, e as estruturas já não estão lá das melhores.


A primeira das primeiras, e por isso a que eu tenho mais dó de largar o osso. The Vampire Diaries já deu o que tinha que dar, e mesmo com a mudança de ambientes, a coisa continua a mesma.
Imagine uma dança da chuva, mas com um índio que não sai do lugar e que faz chover no molhado. Você tem uma bela imagem do que está acontecendo há um bom tempo por aqui.
Os personagens ficaram estagnados em um ponto, não evoluem, não dão para trás. A história continua na mesma. Entram personagens, saem personagens, nada! E com a debandada em massa de vários do melhores personagens para a série derivada, The Originals, aí sim que dá vontade de se juntar ao índio da cena imaginada e ajudá-lo a deixar o chão ainda mais molhado, mas dessa vez com as suas lágrimas de frustração.


E a série mor, a mais pião de todas - roda, roda, roda e não vai a lugar nenhum - é Pretty Little Liars! 
O mistério em torno de quem é "A" já está mais batido do que tudo, e as um milhão de pontas deixadas para trás, fazem tudo ficar pior ainda.
Não que tenha começado ruim, mas o desenrolar foi mal feito, levando o expectador a se sentir confuso, perdido, mas tonto que tudo na vida. Alguns personagens voltam do nada, somem do nada... A história está ficando muito grande, e acabam acontecendo as mesmas coisas. Alguns pequenos abalos, que depois acabando sendo revelados como apenas sustos, já não são suficientes para prender nossa atenção.
Talvez com a "revelação" do mistério - que todo mundo já sabe - as coisas fiquem melhores, porque do jeito que a coisa anda, não sei como PLL ainda não foi cancelada.


18 de fev de 2014

Lançamentos de fevereiro - Galera Record

Hey!

Chegou a hora da semana em que conto para vocês os lançamentos desse mês, e dessa vez, vim apresentar os da Editora Galera Record! :)

Duelo ao luar - Nightshade #3
Andrea Cremer

Pode conter spoilers dos livros anteriores.
Sinopse: Calla finalmente conseguiu salvar Ren e convencê-lo a se unir aos Inquisidores. Mas, depois que ele se juntou à matilha, as coisas ficam estranhas entre ela e Shay, o novo progênito. Tanto Ren quanto Shay vão disputar entre si pelo amor de Calla, colocando-a em uma situação bem difícil. E para piorar, agora que os poderes de Shay estão se desenvolvendo, ela sente uma distância crescente entre eles. Dividida entre dois amores intensos, Calla nunca esteve tão confusa. Mas antes que possa fazer sua escolha, ela tem outras prioridades que precisam ser atendidas. Como a iminente guerra contra os Defensores. A única chance da matilha Nightshade sair vitoriosa é encontrando as diversas espadas da Cruz Elementar, e para isso, a ajuda de Shay é imprescindível. Mas será que Calla conseguirá liderar em meio a tantas desavenças? E qual dos dois pretendentes ela vai escolher? Neste último volume da trilogia Nightshade, a autora campeã de vendas segundo o New York Times, Andrea Cremer, cria um romance com reviravoltas e surpresas que vão deixar você com os nervos à flor da pele até a última página.
Me dê uma chance - Gossip Girl, Os Calyle #3
Cecily von Ziegesar

Pode conter spoilers dos livros anteriores.
Sinopse: Mais um semestre começa e os trigêmeos Carlyle estão prontos para fazer amigos e inimigos em um semestre que promete inúmeros escândalos, fofocas e glamour. Baby na terapia, tendo que lidar com questões com seu pai. Owen com seu segredinho finalmente revelado. Avery com um novo estágio na glamourosa revista de moda Metropolitan. Pressões, consequências e muito o que falar. Aqui, as batalhas se lutam com rumores ácidos e olhares gelados. Tudo vale no amor e na guerra...


Me Liga
Sarah Mlynowski

Sinopse: MlynowskiDevorah Banks está recebendo umas ligações um tanto malucas. Afinal, não é toda hora que seu eu do futuro liga para você para dar dicas de provas, gatos etc. Xi… será que ela acredita? E obedece? A Devi do futuro já passou pelo ensino médio, está mais madura e experiente (e bem mandona) e sabe o que é melhor para elas, certo?







A Casa dos Segredos - Livro #1
Chris Columbus e Ned Vizzini

Sinopse: Três crianças normais. Uma maldição ancestral. Bredan, Eleanor e Cordelia Walker um dia tiveram todos uma bela casa em São Francisco, pais adoráveis e todo tipo de bugiganga eletrônica que podiam desejar. Mas tudo mudou depois que o pai médico perdeu o emprego em um misterioso incidente. A família está em dificuldades e precisa se mudar mais uma vez. À primeira vista a mansão Kristoff parece perfeita, apesar de seus mais de cem anos. Bem melhor e mais espaçosa do que qualquer coisa que a família viu nos últimos tempos - e com um preço excelente. Mas a casa que pertencia ao misterioso escritor Denver Kristoff está muito além das aparências... Não só é boa demais para ser verdade: é assustadora e cheia de segredos. E quando os Walker percebem que um vizinho - não por acaso a filha de Denver Kristoff - pode ter grandes planos para eles, é tarde demais. Os três irmãos vão parar em um lugar selvagem que parece se misturar ao terreno da casa. Uma coisa é certa: eles não estão mais em São Francisco. Seus pais? Desaparecidos. Os amigos? Bem longe dali. E, para completar, os Walker não estão sozinhos. Guerreiros medievais patrulham as florestas, piratas fantasmagóricos rodeiam os mares e uma rainha sedenta por poder governa aquelas terras. A família está presa no mundo fantástico de Kristoff! Para sobreviver terão de vencer as próprias fraquezas enquanto mantêm sob controle seus impulsos amis sombrios. A chave para deixarem o lugar pode estar na relação entre os Kristoff e os Walker, que já atravessa gerações. Mas, à medida que desvendam o próprio legado eles vão descobrir o verdadeiro significado de lar, desvendar muitos segredos e perceber que não é apenas sua família - está mais para a humanidade - que está correndo perigo.
World of Warcraft - Alvorada dos Aspectos #13
Richard A. Knaak

Pode conter spoilers dos livros anteriores.
Sinopse: Kalecgos, o mais jovem dos antigos Aspectos Dragônicos, e agora sem poderes, precisa encontrar no passado um novo propósito para a sua ordem. Através de um misterioso artefato, ele testemunha a antiga e violenta era dos Aspectos originais. Em sua mais primitiva forma, os futuros protetores de Azeroth precisam se unir contra Galakrond, uma criatura nefasta que ameaça a existência de sua espécie. Mas esses simples protodracos teriam sido capazes de enfrentar tal adversário sozinhos... ou um poder desconhecido os teria ajudado? As revelações apresentadas a Kalecgos vão mudar tudo o que ele acreditava saber sobre os eventos que levaram... à Alvorada dos Aspectos.
Starcraft II - Demônios no paraíso #1
William C. Dietz

Sinopse: Aos 18 anos, o jovem Jim Raynor se alista ao serviço militar com a perspectiva de ajudar financeiramente a família e acaba se provando um corajoso soldado na linha de frente da Guerra das Corporações. O que ele não sabe é que essa jornada mudará para sempre sua vida. Com batalhas interplanetárias, corrupções e intrigas, Demônios do Paraíso conta a origem de um dos maiores heróis da série Starcraft®, Jim Raynor, e de sua amizade de longa data com o soldado Tychus Findlay. William C. Dietz, autor de diversos livros campeões de vendas e membro da Science Fiction and Fantasy Writer’s of America, da Writer’s Guild e da International Association of Media Tie-In writers, constrói uma narrativa eletrizante, repleta de ação e aventura, que vai conquistar os amantes de games e emocionar os fãs da série.
17 de fev de 2014

Resenha - Dente por Dente

Dente por Dente

Jenny Han e Siobhan Vivian

Editora: Novo Conceito
Ano de Publicação: 2013
Tradução: Maria Angela Amorim Paschal
ISBN: 9788581633404
N° de páginas: 510
Nota: ♥♥♥♥ (4/5)
Não contem spoilers do livro anterior. Resenha de Olho por Olho.
Sinopse:
Depois dos acontecimentos do homecoming, Reeve foi parar no hospital, com uma perna quebrada, e seu futuro como atleta está ameaçado. As meninas se sentem culpadas por toda a situação. Não esperavam que as consequências do plano fossem tão graves. Quase perderam o controle.
Já que Reeve está mais arrogante do que nunca, o jeito será aplicar nele uma dose do seu próprio veneno e esperar que aprenda a lição.
O acidente no baile deixou marcas profundas na consciência de Lillia, Kat e Mary. Sentimentos como amizade, lealdade e ódio se misturam, questionamentos sobre limites... Alguns segredos são mais difíceis de guardar. Aliás, o que são essas coisas estranhas que estão acontecendo com Mary?
À medida que Lillia, Kat e Mary descobrem verdades incômodas sobre os moradores da ilha, percebem também que não se conheciam como pensavam. Cada vez mais elas lidarão com o sentimento de que talvez tenham ido longe demais...
Depois da leitura de Olho por Olho, e de um final um tanto quanto aberto, nada mais natural que continuar a trilogia, certo? Apenas mais dois livros, o que poderia dar errado? Mas qual foi a minha surpresa quando Dente por Dente chegou pelo correio e achei que tivesse recebido um tijolo de presente... o.O Pois é, já posso ir adiantando que o tamanho assusta um pouco, mas a história compensa.

Nesse livro, as personagens principais precisam lidar com as consequências do plano que armaram no primeiro livro. Lillia, Mary e Kat não têm para onde correr - literalmente, já que moram em uma ilha - e tudo que lhes resta é sofrer em silêncio e torcer para ninguém descobrir o que realmente aconteceu naquela noite tão trágica.

O tamanho monstruoso de Dente por Dente esconde os pensamentos de três garotas tão diferentes, mas ao mesmo tempo tão iguais. Seus sentimentos estão ainda mais presentes nesse livro do que no anterior, já que dessa vez temos o remorso com centro das atenções e peça fundamental para o desenrolar da narrativa.

Acontecimentos traumáticos do último fadado Homecoming, surtos psicóticos e menos explicações do que nunca; são boas frases para se resumir o começo de Dente por Dente. O ponto de vista de três personagens nunca se fez tão necessário e detalhes soltos ao longo da narrativa fazem toda a diferença para se ligar os pontinhos no final.

E por falar em final, será que as autoras nunca ouviram falar de timing? Gostei bastante da forma como os fatos finais foram apresentados, o único problema foi a hora escolhida para narrar tal acontecimento. Se elas tivessem deixado a bomba final como última frase do livro, a frustração com uma finalização tão estranha e confusa - no bom sentido - faria com que, automaticamente, todos começassem a procurar ensandecidamente por toda a internet a respeito da continuação. Além disso, o acréscimo de fatos que poderiam ter sido deixados para o próximo livro - já que haverá outro mesmo - tornou o final menos impactante.

Apesar disso, não posso dizer que me decepcionei com Dente por Dente, pelo contrário. Encontrei na narrativa com diferentes pontos de vista sobre um mesmo acontecimento, a forma perfeita de contar a história de Mary, Kat e Lillia. Acontece que timing é tudo em um livro, principalmente em um tão extenso, e por isso, e só por isso, uma estrela foi pelo ralo. Mesmo assim, vale à pena encarar as mais de 500 páginas, já que os fins compensam os meios.

P.S.: Você pode ganhar o primeiro livro! E para saber como, basta clicar no banner abaixo. :)