14 de dez de 2011

Resenha - Mundo de Vidro

O mundo de Vidro
Mauricio Gomyde,
Editora Porto 71

Sinopse: Até onde pode ir a paixão de uma pessoa por outra? Como, quando e por que começa? Até que ponto pode-se cometer alguma loucura para fazer parte da vida de alguém? Quais as consequências da paixão avassaladora incompreendida? E quando não se admite a óbvia paixão por outra pessoa? Neste seu primeiro e hilariante romance, Maurício Gomyde conta a história de duas pessoas, Ele e Ela, tentando responder estas aparentemente simples perguntas. Passeando com extrema facilidade tanto pela linguagem refinada e sutil quanto pela tosca, Maurício Gomyde nos brinda com um livro de leitura fácil e extremamente agradável.


---------------------------------------------

De repente sua vida parece totalmente errada e você percebe que está mesmo. É assim que Ele se sentiu quando encontrou Ela pela primeira vez.
A frase acima pode parecer totalmente sem nexo, mas os personagens principais desse livro são chamado assim: Ele e Ela.
Ele passa a segui-la e a acompanhar sua rotina. Se matricula em sua aula de economia, simplesmente para observá-la de longe. É prestativo e está sempre disposto a escutar o que Ela tem a dizer.
Mas parece que Ela não percebe isso, quer apenas sua amizade. Mas Ele não desiste. Nada pode demove-lo de seu amor, nem mesmo um fora.
O que acontece com esse casal? Eles terminam juntos? Cada um segue seu caminho? E o que o Mundo de Vidro representa realmente?

---------------------------------------------------------

Um livro um tanto quanto inusitado. Já começa com um prefácio muito engraçado, o que nos deixa com vontade de descobrir se o livro também é assim. E posso garantir que é tão engraçado quanto as primeiras páginas.
Primeiramente o prefácio não fala sobre o livro. Nesse, o autor conta como é difícil escrever o prefácio, ou como ele mesmo chama, predifício. 
Além disso, os personagens principais do livro não tem um nome. São tratados como "Ele" e "Ela". Eu imagino como deve ter sido difícil escrever um livro, no qual em nenhum momento você pode citar o nome, nem mesmo na fala. Até os animais de estimação d'Ele e d'Ela tem nome, menos os dois. Não que eu não tenha gostado, mas no início achei bem estranho. Mas logo depois você se acostuma.
Já que eu toquei no assunto dos bichos de estimação, devo destacar que Horácio, o papagaio fêmea, d'Ele e Paul Macartney o cachorro extremamente pervertido d'Ela. 
Não, você não leu errado. O papagaio fêmea se chama Horácio mesmo. É que Ele achou que fosse macho, e depois descobriu que não era bem assim. Mas para não traumatizar o pobre bichinho deixou assim mesmo.
Horácio é uma figura. Só aprendeu uma frase durante a vida toda. Pelo menos no início do livro. E essa frase servia para acordar seu dono todos os dias às seis horas da manhã. 
Depois que Horácio aprendeu a falar outras frases, se tornou um animal extremamente engraçado. Era a alma das partes em que seu dono estava deprimido demais até para respirar.
Paul Macartney também era engraçado, mas do seu próprio jeito. Não sei defini-lo, juro. É preciso ler o livro para entende-lo.
Além de ter personagens engraçados, esse livro tem, de longe, um dos personagens mais chatos de todos os tempos. Ele troca o prefixo "in" pelo "ex". Agora imagina uma criatura dessa falando "inteligente". Não dá. E o mais legal é que Ela também não gosta disso nele. 
Mas agora vamos falar dos personagens principais. Ele é um cara solitário, isolado. Não tem amigos. Tirando, é claro Horácio. De qualquer forma, parece que ele nunca teve uma namorada, até que encontra no metrô Ela. Depois disso se matricula no curso de economia em que Ela é professora. Os dois passam a se ver todos os dias. Ele tenta de todas as formas ser mais que amigo. Ela pelo contrário.
A amizade dos dois é linda! Sério. Mas eles formam aquele tipo de casal que precisam ficar juntos. 
Mas nem tudo sai como esperado. Eles acabam deixando de ser amigos e continuam suas vidas.
A única coisa que posso garantir é que o final é uma coisa linda.
Nesse tempo em que eles ficam afastados Ela começa a receber alguns emails, com partes de um livro chamado "O mundo de vidro". Esse livro dentro do livro justifica todo o resto. Se encaixa perfeitamente.
Eu posso dizer que a leitura flui muito rápido. Quando você percebe já está no final e fica querendo mais.
Os personagens são bem construídos, e a história também. O que nos leva a um final lindo! 
Resumindo em algumas palavras: Me arrependo não ter lido a mais tempo. 


Nota:

Um comentário:

  1. Os adultos vivem dizendo que a adolescência é um dos perídos mais
    marcantes da vida. Mais o que o adolescente pensa disso? (sinopse do meu blog)
    Acessa o meu blog?
    "Blog de uma adolescente"

    http://blogdeumagarotaadolescente.blogspot.com/

    Espero a sua visita, se gostar do meu blog, segue lá, ficarei muito feliz.
    Desde já obrigada, tenha uma ótima semana.
    Atenciosamente Tainã Almeida.

    ResponderExcluir