19 de mar de 2011

Autor da Vez #4 - Danilo Barbosa

Oi gente!!!
Antes de mais nada quero pedir desculpas pela troca de posts. Esse post era para ter saído ontem e o de ontem para ter saído hoje, mas tudo bem vamos ao que interessa.

Hoje eu fiz uma super entrevista com o autor do livro Arma de Vingança(para mais informações visitem o site do livro, clicando aqui.)



Danilo Barbosa - Entrevista

1. Primeiramente, quem é Danilo Barbosa?
Será que alguém consegue se definir completamente? Não sou diferente de ninguém. Tento ser o cara legal, ás vezes dramático, outras vezes chatinho. Extremista, que fala o que pensa, muitas vezes sem filtrar. O cara que desde cedo encontrou nos livros grandes amigos e nas letras as melhores armas. Alguém que agora está criando coragem de levar o que escreve para o mundo.

2. O que lhe agrada mas em ser escritor?
Acho que ainda não caiu a minha ficha nesse quesito. Muita gente acredita que ser escritor é ter os olhos do público encima de você ou ganhar algo com isso. Sabe aqueles apanhadores de sonhos indígenas, que em muitos filmes ficam na porta das casas. Para mim, ser escritor é aquilo. Se soltar no vento e filtrar as histórias que o mundo te conta. Simplesmente abrir o coração e deixar as histórias tomarem forma e vida. Ouvir as suas inspirações. Sempre acho que a fantasia está solta pelo vento esperando que alguém as guie. Esta é a função de quem escreve. Permite ao leitor que sonhe. Ser a porta de ligação entre estes universos.

3. De onde vem sua inspiração?
Nas pessoas. Sempre amei observar as pessoas. Já se sentou em um ônibus lotado e ouviu as histórias alheias? Tudo pode ser uma forma de inspiração. Ás vezes um comentário, uma notícia ou uma brincadeira que ocorre ao seu lado podem levar a sua cabeça a viajar na história mais improvável. Basta estar atento e aberto a isso.

4. Quando começou a escrever? De lá até hoje houveram muitas dificuldades?
Desde adolescente sempre gostei de escrever. Poesias, contos ou crônicas. A única diferença é que eram meus amigos secretos, meus desabafos que corriam por aquelas palavras. Muita coisa eu escrevia e depois jogava fora. Era uma forma de exterminar meus medos e receios. Acho que por gostar de ler desde muito cedo (nunca me imaginei um dia inteiro sem um livro por perto) as palavras sempre estiveram passeando ao meu redor. Com o tempo e constante leitura, é natural tanto o seu vocabulário quanto escrita aprimorarem.

5. Na sua perspectiva, a parceria com blogs ajuda a divulgar as obras literárias?
Acho que sim. Desde que você analise o blog e veja o comprometimento dele com o público. Tem gente, infelizmente, que deturpa sua missão e quer blogs só para ganhar livros e tirar proveito. Mas ainda bem que tem muita gente decente que faz um trabalho extraordinário e ajuda os autores demais com a divulgação. Já vi casos que, muitas vezes os autores falam que os blogs ajudam mais que a própria editora a divulgar os seus livros. E isso é muito gratificante. O duro do advento dos blogs é que os leitores tem que começar a definir o bom do lixo. E tenho esperanças de que os blogs ruins e os blogueiros interesseiros acabem sumindo com o tempo.

6. Sendo você um escritor brasileiro, o que é mais difícil?
Ainda vivemos em um país que culturalmente acredita que, o que vem de fora é melhor. Tanto na literatura, quanto no cinema. Na verdade em qualquer tipo de cultura. Ser escritor no Brasil hoje em dia é ser desbravador. É ver que o jeitinho brasileiro do nosso povo não é só pejorativo. Tem gente antenada e cheia de imaginação, com coisas maravilhosas para mostrar ao nosso povo. Basta que prestemos atenção nisso. Admiro os escritores brasileiros pela raça e perseverança que tem de escrever boas histórias. Tenho de bater palma a cada autor que conheço que investe e luta por este sonho.

7. Quais obras você já tem publicadas e o que está escrevendo?
Bom, Arma de Vingança é a primeira obra a ser publicada. Tenho várias ideias anotadas e vou coloca-las em ação uma a uma. Comecei a escrever já um outro livro, que é um livro de terror (atendendo a pedidos) passado no século XIX. Mas só vou me dedicar a ele depois de Julho, quando Arma estiver nas livrarias. Enquanto uma filha não for embora, não quero dar atenção a outra, Rs.

8. E finalmente, sabendo que os leitores do blog lerão a entrevista, o que gostaria de lhes dizer?
Nunca deixem de sonhar. Acreditar em seus desejos e lutar por eles é o que nos torna tão especiais. Sei que Arma de Vingança não irá agradar a todos. Alguns curtirão imensamente, outros um pouco, alguns nem um pouco. Mas desde já agradeço por fazerem parte comigo desta viajem literária. Obrigado a todos!

7 comentários:

  1. Muitooo boom =D

    Parabeens Dan

    Sucesso vio

    http://ummundoquaseparticular.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Excelente. Gostei muito da frase "Admiro os escritores brasileiros pela raça e perseverança". Eu comungo contigo, Danilo, a mesma admiração. Só quem está inserido nesse contexto de tantas dificudades no Brasil para publicar algo literáio, é que sabe na pele o significado. E o quanto tem que lutar, incansavelmente.
    Acho que Arma de Vigança será um sucesso.
    Um beijão e parabéns!
    Sarah Micucci
    http://imperiodosdeuses.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Ai, que entrevista lindaaaaaa!!! Não vejo a hora de ter meu exemplar autografado de ARMA DE VINGANÇA!!

    ResponderExcluir
  4. Pois é né Van?
    Eu também quero o meu, vamos ver... =P
    =*

    ResponderExcluir
  5. Ameeei!! *-*
    Danilo vai fundo e com a cabeça erguida! Muito sucesso e que muitas oportunidades venham aparecer para você.

    Beeeeijos!

    ResponderExcluir
  6. Danilo,

    Desejo, do fundo do meu coração, que Arma de Vingança seja um grande sucesso!!!

    Parabéns pela entrevista!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Ah, o Dan é ótimo!!!!!

    Bela entrevista, Nathi!

    ;)

    bjs***

    ResponderExcluir