19 de mar de 2012

Resenha - Alice no País das Maravilhas

Alice no país das maravilhas
Lewis Carroll
Editora Martin Claret

Sinopse: Ao seguir um coelho apressado, Alice cai num buraco que, mais tarde, ela descobrirá ser uma passagem para o País das Maravilhas. Tudo fica esquisito desde então: Alice conhece um gato muito diferente, uma lagarta sábia, um chapeleiro maluco, entre outros personagens que a introduzem em uma realidade complexa e enigmática. De Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas é um livro repleto de fantasias oníricas e lúdicas, que provocam o leitor e ocultam questionamentos de todo tipo: lógicos, semânticos, políticos, psicológicos. Não é apenas uma leitura para crianças, mas uma viagem ao mundo do subconsciente que pode ser travada também por adultos que não temam adentrar as veredas nebulosas da mente.



Assim que recebi o e-mail da Martin Claret com uma resposta positiva sobre o meu pedido de parceria, a primeira coisa que pensei foi: vou ler Alice!
Quem aí nunca assistiu pelo menos o filme, aquele beeem velhinho da Disney? Ou o mais recente, do Tim Burton, que mesmo sendo completamente diferente do livro não deixa de ter a mesma base.
Mas são poucos os que assistiram o filme e leram o livro. O original então, não conheço muitas pessoas que dizem ter lido.
Eu imagino que a aversão a clássicos que a maioria das pessoas tem, e eu posso me incluir nessa conta, é causada pela imposição que as escolas e os vestibulares fazem. Se essas pessoas pegassem um clássico para ler porque querem, poderiam até não gostar, mas dariam uma chance a outros. Por esse motivo, muitas pessoas não gostam de ler.
Mas como eu sou brasileira e não desisto nunca, apesar de praticamente odiar Machado de Assis - não me apedrejem, mas o cara me dá sono - eu dei uma chance à Alice, e não me arrependo.
Lewis Carroll criou praticamente uma distopia - se não me engano - nesse livro. Juntamente com Alice somos transportados para um mundo completamente novo, onde animais falam e fazem uma Quadrilha da Lagosta ou uma Corrida do Seca-Seca. o.O
Não posso dizer que a Alice seja minha personagem favorita, apesar de ser a segunda. O Gato de Cheshire consegue ganhar dela, disparado. Eu não resisto aos encantos do famoso gatinho rosa e roxo que aparece e desaparece num piscar de olhos e tem um sorriso enorme.

"- Isso depende muito de onde quer ir - respondeu o gato.
- Para mim, acho que tanto faz... - disse a menina.
- Nesse caso, qualquer caminho serve- afirmou o gato.
- ...contando que eu chegue a algum lugar - completou Alice, para se explicar melhor."
Página 75.

A leitura flui rapidamente, apesar de ser um clássico. Palavras simples foram utilizadas, e me surpreendi ao encontrá-las, pois esperava um texto com umas palavras beeem estranhas.
Eu #amei as ilustrações que encontramos ao longo do livro, em sua versão original, desenhados por John Tenniel, um perfeito gênio do desenho. Apesar de serem preto de branco, não deixam de transmitir o que "realmente" acontece ao longo da aventura de Alice.
Eu nunca havia visto um livro da Martin Claret, - juro - mas não me decepcionei. São muito bem revisados, com notas de rodapé, como todo clássico tem, bem diagramado, e as ilustrações colocadas no local certo.
Além disso preciso destacar a linda capa dessa 2ª edição. O desenho ficou tão lindo, que eu não consigo parar de olhar. *-*
E foi assim que eu mudei minha opinião sobre os clássicos. :)

Nota: 



3 comentários:

  1. Ain *.* que lindinho! Quem não ama essa história? Acho ela tão lindinha. E o filme que saiu não tão recentemente, mas recentemente, é lindo demais né? Adorei a resenha!!! Me deu uma vontade danada de ler também.

    ResponderExcluir
  2. Eu amo este livro, eu possuo a versão comentada, que é super interessante , pois explica vários aspectos da história....

    Eu amo os filmes, mas o livro é muiito melhor,eu adoro a Alice =D, ta que ela é uma menina meio chata as vezes, eu adoro o cheshire =D mas adoro a rainha da copas ela é uma vilã muito loka.....

    Adorei a resenha *-*

    ResponderExcluir
  3. É filme tão belo Alice no País das Maravilhas e em todos os sentidos, é verdade que algumas negociações falharem, no entanto, incentiva muitas partes importantes e essenciais da vida, como o tempo! Eu realmente amo todas as versões!

    ResponderExcluir