22 de nov de 2011

Resenha - Infinito

Infinito
Alyson Nöel,
Editora Intrínseca

Cuidado!!! Essa resenha contem spoilers dos outros livros da série.

Sinopse: Após derrotarem seus inimigos mais temidos, Ever e Damen começam uma nova jornada para que ele se livre do veneno em seu corpo. Se encontrarem o antídoto, finalmente serão capazes de viver a paixão pela qual anseiam há séculos. A busca, porém, leva-os a um terreno desconhecido e pavoroso — as profundezas de Summerland. Lá, eles descobrirão a origem obscura e inimaginável de seu relacionamento e serão obrigados a encarar uma dolorosa verdade: o destino tem motivos para mantê-los separados. Agora, o futuro irá depender de uma única decisão, que poderá pôr em risco tudo o que eles têm. Inclusive a eternidade.


---------------------------------------------------------------------------------

O casal Ever e Damen só precisam enfrentar dragões para enfim dizerem: "Passamos por tudo imaginável".
É, pois é! Esses dois estão a seis livros tentando conseguir um final feliz, e toda vez que parecia que isso seria possível, aparecia um vilão do lugar menos provável e estragava a felicidade dos dois.
Breve resumo da série. Vou colocar em uma fonte mais clara, quem não quiser ler, pule para a resenha, logo depois da segunda linha pontilhada:
Em Para Sempre os dois se conhecem e passam por provações "normais" para virarem um casal.
Em Lua Azul surge "o problema", chamado Roman. Esse sim, estragou tudo. Daí para a frente tudo deu errado.
Em Terra de Sombrar, os dois descobrem um local chamado Shadowland, para onde os imortais vão quando morrem.
Em Chama Negra, Ever está impossível. Faz uma burrada atrás da outra e se amarra a Roman.
Em Estrela da Noite, Ever enfrenta a inimiga mais improvável de todos os tempos: sua ex-melhor amiga, e descobre onde fica Shadowland. 
Enfim, o último livro! Será, que depois de tudo isso, eles conseguirão ficar juntos? Entenderão seu passado? Só lendo o livro mesmo.


---------------------------------------------------------------------------------


Com certeza o melhor livro da série!
Não estou dizendo que não gostei dos outros, longe disso, mas esse consegue melhorar uns 2000%.
Ever conseguiu deixar de lado todas as suas inseguranças, e age melhor. Os personagens evoluíram, você percebe ao longo da leitura, que eles estão mais maduras e pensam melhor, agem melhor, vivem melhor. Isso foi que mais me agradou.
Damen já era um homem, não fisicamente, mas psicologicamente, pois tem mais de, sei lá, 200 anos, não lembro bem. Mas nesse livro, ele melhora, está mais perfeito, como se isso fosse possível, mas sim, ele está.
Sabine continua meio irredutível, mas acaba melhorando nesse aspecto, já que no anterior, estava crente que Ever era uma adolescente problemática, que precisa de tratamento. Apesar de tudo, ela consegue entender que nada é o que parece.
Nesse livro, os problemas "acabaram". Pelo menos, os criados por Ever. Ela "acordou" para a vida, e finalmente deixou de fazer tantas besteiras e dar tiros nos próprios pés.
Ever e Damen têm apenas que lidar com o resultado de suas ações. É bem aquela história: "Tudo que vai, volta.". Essa frase justifica tudo que aconteceu anteriormente, e o que acontece nesse livro.
Em "Estrela da Noite", Ever descobre o que Shadowland realmente significa, que não é algo como o céu, teórico. É um lugar, parte de Summerland, que cresce cada vez que um imortal morre. Apesar de parecer irônico, sim eles morrem. Basta um bom, ou não, soco no chacra fraco e pronto. Está feito! Você vai para Shadowland.
Tudo que Ever quer é conseguir destruir para sempre Shadowland, mas não é uma tarefa fácil, já que Lotus, a mulher que mora lá, só fala em enigmas.
"Estou aqui. Ele fecha os olhos e pressiona a testa contra o vidro, segurando nas faces do cubo. Eu falhei com você. Falhei de muitas formas. Falhei ao não amá-la do modo que você queria, do modo como precisava. E, mesmo tendo salvado sua vida, poupando você da peste negra, receio que no fim das contas tenha mexido com o que não devia, e assim a reduzi a isso.
Sua respiração embaça o vidro, fazendo Damen passar o dedo por ele, depois limpá-lo com a palma da mão machucada.
Drina Magdalena, você não é mais Poverina. Por favor, vá. Seja livre. Precisa ir a outros lugares. Eu nunca fui o seu destino."
Página 130.
No final, conseguimos entender bem o que aconteceu antes para que todos os seis livros fossem justificados, e eu realmente entendi o que a Alyson queria com isso.
Gosto bastante do final, agora pelo menos. Porque na época que terminei de ler não tinha gostado, achava que os meios não justificavam o fim. Por isso a demora na resenha. Precisava refletir e entender os acontecimentos da série, para chegar a uma conclusão concreta e explicável. E acabei concluindo que valeu a pena sofre com Ever e Damen; às vezes queria matá-la, mas no final, percebi que ela precisava passar por tudo para entender qual seu destino, e que precisava pagar pelo karma.

"Pouso minha mão sobre o caule e Damen coloca a mão sobre a minha. Nós nos aproximamos, ambos felizes, satisfeitos, ansiosos para aceitar o que quer que virá, enquanto o avião ganha o céu."
Página 239.
Depois de reflexões profundas, muito choro depois de terminar de ler, e uma enorme depressão pós-final de saga(tá, isso eu inventei), consigo chegar a uma conclusão, que não consigo para de dizer: Valeu a pena!


Nota:



Um comentário:

  1. oie, tenho um blog sobre a serie e queria saber se você nao gostaria de se tornar parceira do blog?
    é:
    http://osimortaisbra.wordpress.com/
    se aceitar vai lá e comenta! bjs

    ResponderExcluir