24 de mai de 2011

Resenha - Pobre não tem sorte - Leila Rego

Pobre não tem sorte
Leila Rego,
Editora All Print

Sinopse: Toda garota do interior sonha em se casar com o cara de seus sonhos, ter uma casinha, filhos e ser feliz até que a morte os separe, certo?
E se esse cara for lindo, rico, super fashion e divertido?
E se a tal "casinha dos sonhos" for um mega apartamento no melhor bairro da cidade?
Uau" Mariana encontrou o cara perfeito e vai se casar com ele!
E nada de casinha! Isso é coisa de gente que pensa pequeno. Mariana vai ter o apartamento dos sonhos que já vem incluso no pacote: case com um homem rico e vá morar em grande estilo.
E quanto a filhos e ser feliz até que a morte os separe... Bem, ela ainda não pensou nesses detalhes. Afinal, as prioridades vão para as coisas bem mais interessantes como, por exemplo, o vestido de noiva perfeito, o que o colunista vai dizer sobre seu casamento no tablóide de domingo, o que as amigas e inimigas irão comentar, quem entrará na lista de convidados para sua despedida de solteira, etc.
Mas isso só dura até um dia em que Mariana... Bom, leiam o livro e descubram!

Uma única palavra define Mariana, ou simplesmente Mari, em 85% do livro: Fútil.
 "[...] Você só consegue enxergar o seu próprio umbigo. Nunca, nesse tempo todo [...] você perguntou se eu estava bem, o que eu acho das coisas, se concordo com suas decisões. Tudo é você e essa droga de sociedade que você tanto preza. [...] essas coisas fúteis que você adora e eu detesto..."          Página 113.
Ela é uma "menina" que vem de família simples. Mora no subúrbio de Presidente Prudente, e quer mais que tudo na vida ser da alta sociedade. Namora Eduardo, que é seu "passaporte" para a classe. Ele é rico, bonito e inteligente, ou seja é perfeito se fosse só rico já serviria. Suas "amigas" são garotas ricas, que tem as melhores roupas, sapatos, bolsas e joías que o dinheiro pode comprar, e Mari, por viver ao lado delas, também quer tudo que elas tem, mas o salário é curto e seus pais não tem condições de bancar óculos Prada, roupas Forum, etc.
Sua vida se resume a planejar as roupas que vai usar durante o dia. Até para ir na esquina comprar meia duzia de pães suas roupas são minuciosamente planejadas.
A data de sue casamento se aproxima, e isso só deixa Mari paranóica. Ela vive de encomendar o bolo, reservar o salão, mandar fazer o vestido, comprar as roupas de seus pais, reservar a igreja, fazer a lista de convidados, entregar os convites, comprar as flores... Enfim, ela vive de e para o casamento, e não percebe que uma "tragédia" está por vir.
Essa tragédia é um choque de realidade em Mariana. Ela criou um mundinho em sua cabeça é onde ela "respira" moda e futilidades e seus cérebro se entorpesse com aquilo.

"E você deveria olhar esse lado. Mas não, está aí preocupada com o que os outros vão pensar e com a sua imagem pessoal. E se você observar um pouco a sua vida, tudo o que você faz está associado ao que as pessoas vão pensar de você. Isso é tão absurdo pra mim. - Clara deu um suspiro e depois continuou. - Mariana, o mundo que você criou aí na sua cabeçinha não existe. Não é a sua realidade..."
 Depois de um bela lição de moral é hora de Mariana sacudir a poeira e continuar a vida. A partir desse ponto passo a gostar mais dela. Deixando as futilidades de lado, ela consegue enxergar quem realmente é, o que quer da vida e o que sente por todos que a rodeiam.

Eu, sinceramente, só não dou nota máxima para esse livro, porque a Mari é fútil demais e me irrita em 85% do livro, mas a nota é:

Esse livro tem a continuação que é:
Cuidado: A sinopse do livro abaixo pode conter spoilers do primeiro livro. Se não leu o primeiro, lhe aconcelho a não continuar daqui. =D 

Pobre não tem sorte 2 -
Alguma coisa acontece no meu coração
Sinopse:Mariana Louveira precisou cair do salto (parcelado em várias vezes no cartão) para aprender que a vida pode não ser lá tão glamorosa como sempre quis, e que sentimentos valem muito mais do que uns óculos Prada. Tarde demais! Mari é abandonada pelo noivo Edu horas antes do casamento. Sem casório, Mari só encontra uma solução: ir para São Paulo em busca de seus sonhos, ao lado da amiga Clara. Agora, a nossa protagonista, munida de um Bilhete Único, precisa arregaçar as mangas de um de seus terninhos chiques e batalhar por uma oportunidade. Em uma história pra lá de gostosa e divertida, Leila Rego narra todas as aventuras de Mariana em Sampa, desde as entrevistas de emprego, até as baladas mais malucas e cheias de confusão. E, no vir das mudanças, será que ela finalmente vai esquecer Edu e dar a volta por cima? As dificuldades da vida valem mesmo como aprendizado? “Pobre Não Tem Sorte 2” é uma lição de amadurecimento e força de vontade, mas prepare-se para dar muitas, muitas gargalhadas, afinal, estamos falando de Mariana Louveira!

4 comentários:

  1. eu tb só não dou nota máxima pra PNTS porque, geeeeeente, a Mariana me irritou a graus elevadíssimos! tinha vontade de torturá-la até a morte em alguns trechos! AIUHAiuha! Mas ela tb é engraçada, e parte de mim simpatizou muito com ela. e no livro 2 ela melhora MUUUITO - assim como a história. Estou lendo neste momento :D se vc gostou do primeiro, vai amar ainda mais o segundo!

    ResponderExcluir
  2. Mêu, odeio meninas fúteis!!! Mas parece que o livro é bom, hein?

    ResponderExcluir
  3. Nathi,
    Eu fico satisfeita quando os leitores sentem raiva da Mari. rsrsrsrs
    Porque meu objetivo era esse mesmo, provocar essa indignação diante de tanta futilidade e ao mesmo tempo mostrar que as pessoas podem mudar para melhor quando querem.

    Obrigada por recomendar meus livros.

    Beijos para você e seus leitores! =)
    -Leila Rego
    www.leilarego.com.br

    ResponderExcluir
  4. Também odeio futilidades!
    Já li muitas opiniões sobre o livro, e a sua ficou muito boa! =D
    Quero muito ler =]

    Beijos :*

    ResponderExcluir