26 de set de 2011

Resenha - O céu está em todo lugar

O céu está em todo lugar
Jandy Nelson,
Editora Novo Conceito

Sinopse: Lennie Walker, de dezessete anos de idade, gasta seu tempo de forma segura e feliz às sombras de sua irmã mais velha, Bailey. Mas quando Bailey morre abruptamente, Lennie é catapultada para o centro do palco de sua própria vida - e, apesar de sua inexistente história com os meninos, inesperadamente se encontra lutando para equilibrar dois. Toby era o namorado de Bailey, cujos sentimentos de tristeza Lennie também sente. Joe é o garoto novo da cidade, com um sorriso quase mágico. Um garoto a tira da tristeza, o outro se consola com ela. Mas os dois não podem colidir sem que o mundo de Lennie exploda...

Lennie Walker tinha uma vida perfeitamente feliz na medida do possível. Ela morava com sua avó, o Tio Big e Bailey, até que, durante um ensaio para o papel de Julieta, ela caí morta.
Desde então sua vida está de cabeça para baixo. Tudo a que ela era indiferente anteriormente passou a chamar lhe a atenção, traduzindo: Lennie começou a prestar atenção nos garotos.
"...viro de costas e logo em seguida estou abraçando meu travesseiro e beijo o ar com uma parcela vergonhosa de paixão. De novo não, penso. O que há de errado comigo? Que tipo de garota quer beijar todos os rapazes no meio de um funeral?" - Página 100.
Lennie não é uma adolescente comum, ou pelo menos não era até a trágica morte de sua irmã mais velha.Ela não ligava para garotos, não se interessava por sair ou fazer amigos. Gostava apenas de ficar em casa ou com sua amiga Sarah, e ler seu velho exemplar de O morro dos ventos uivantes, lido "apenas" 23 vezes.
Além disso, sua mãe foi embora quando ela era bem pequena, deixando duas filhas e milhões de perguntas para vovó responder.
Tudo continuou bem na medida do possível, até que o namorado de Bailey, Toby começa a se aproximar de Lennie um pouco mais do que o necessário para cunhados. Os dois pensam que somente quem passou pelo que eles também passaram sabe o que eles sentem, e por isso começam a trocar beijos escondidos de todos.
Como se Lennie já não tivesse problemas suficientes, ela conhece Joe Fontaine. Ele acabou de chegar de Paris. É lindo, rico e assim como Lennie toca na escola, só que seu instrumento é outro, a trombeta.
É aí que os problemas começam verdadeiramente: Quando Lennie fica com Toby se sente consolada e é como se Bailey nunca tivesse morrido. Mas quando está com Joe seu mundo se completa. Ele a faz sorrir e ela se sente em paz, como se entendesse por que Bailey morreu. Quem ela ira escolher?

-----------------------------------------------------------------------------------------

Um dos livros mais emocionantes do ano sem dúvida é O céu está em todo lugar. 
Jandy Nelson consegue equilibrar o drama com o romance sem que o livro fique dramático demais, ou excessivamente romântico e meloso.
A cada nova página nos deparamos com conflitos externos e internos de Lennie. Sobre seus "amores" ou sobre sua família e amigos.
Algumas vezes, durante a narrativa tive vontade de matar a Lennie, porque cometeu os mesmos erros várias vezes, o que levou a mais problemas no final das contas.
Vou falar agora um pouco dos personagens:
Joe é um garoto extremamente apaixonante. Não apenas por ser lindo e rico. Ele veio de Paris e seu jeito de falar me conquistou logo no começo do livro. Me lembrei do St. Clair de Anna e o Beijo Francês
A avó de Lennie não é uma pessoa que se diga comum. Ela sempre pinta mulheres verdes, e tem na sala de estar um quadro chamado Mãe pela Metade, onde ela retrata apenas um lado do rosto de sua filha. Apesar de tudo eu gosto dela, é uma boa pessoa e é apaixonada por flores.
Tio Big é uma figura. Fuma maconha como uma chaminé e por isso está sempre meio(inteiro) drogado. Está quase sempre nas partes engraçadas do livro.
Toby podia até ser um cara legal, mas depois da morte de sua namorada não é mais o mesmo. Ficou extremamente dependente de Lennie e por muitas vezes era o causador dos problemas. Apesar de que no final faz algo legal, e passo a não odiá-lo.
A narrativa é leve e flui rapidamente. Quando achava que poderia parar no fim de um capítulo acontecei algo que me obrigava a ler outro e assim por diante. Tanto é que fui terminar esse livro às 2 e meia da madrugada porque não conseguiria dormir enquanto não soubesse o que aconteceu no final.
A única coisa que não gostei muito foi que ao longo do livro tinham algumas palavras em francês. Mas dava para ir pelo contexto e entender o que queriam dizer.
A diagramação e a capa são coisas a parte. A cor da fonte é azul o livro inteiro. E pelo livro todo encontramos coisas que Lennie escreveu e deixou que o vento levasse. O que torna o livro a coisa mais linda do mundo.
A capa é maravilhosa. Não a textura normal de um livro, mas é muito bom ficar horas e horas passando a mão pela capa.
"Anos atrás, estava deitada no jardim da vovó e Big perguntou o que eu estava fazendo. Disse-lhe que olhava para o céu. Ele respondeu - Essa é uma concepção errada. Lennie, o céu está em todo lugar, começa aqui, aos nossos pés." - Página 183.


Nota: 

P.S.: Não esqueçam que a promoção de 6 meses do blog termina hoje às 8 horas da noite. Participem!!!




3 comentários:

  1. Oi Nathi!

    Estou super louca para ler esse livro!
    Ele parece ser lindo!!!

    Muito boa a resenha!

    Beijoss

    ResponderExcluir
  2. Parece-me que a novo conceito está se especializando em um novo gênero. livro muito peculiar.

    ps.: duas sinopses?

    ResponderExcluir