5 de set de 2011

Resenha - Exodus


Exodus
Julie Bertagna,
Editora Farol

Sinopse: A rotina da ilha é sempre a mesma: a reconstrução do povoado após os temporais. A água inunda tudo, o trabalho é árduo. Todos se reúnem e fazem barricadas para impedir que as ondas avancem na próxima ressaca do mar, mas a destruição sempre castiga.
É ano-novo, e a população está em círculo ao redor da fogueira para comemorar. O sábio Tain adverte: "Quem sabe o novo século nos traga um milagre. Só isso poderia nos salvar do mar que não para de subir... Mas e se esse milagre que tanto esperamos não acontecer? Escutem. Precisamos começar a planejar o futuro. Temos que nos preocupar com o mundo que há além destas ilhas...".
Esse é apenas o início de um romance dramático, no qual três jovens buscarão uma saída para o mundo em perigo.

-----------------------------------------------------------------------------

Tudo começa em 2100, no auge das mudanças climáticas e das inundações nos continentes e nas ilhas espalhadas por essa imensidão de água.
Wing é uma ilha há muito esquecida pelo resto da humanidade. Sua população regrediu de modernos sistemas de captação de energia para fogo feito esfregando dois palitos de madeira. Sobrevivem de animais criados em confinamento e do que o mar traz do que sobrou do mundo que conhecemos.
Durante os dias de tempestade, Mara, a nossa protagonista, precisa ficar confinada em sua casa, até que tudo se acalme para que a população consiga avaliar os danos da vez.
Porém a situação de Wing começa a ficar insustentável, pois a cada dia o mar avança mais e mais, e os moradores não têm mais para onde recuar.
Para passar o tempo Mara tem um obsoleto Ciberwizz. Uma espécie de computador em forma de esfera, onde não há mouse e sim uma varinha para realizar comandos. E monitor é algo totalmente desnecessário. Uma espécie de meia-lua que se coloca na frente dos olhos resolve o problema nem um piscar de olhos. Ela nunca teve um objetivo ao navegar pela Weave. Praticamente vagava por lá. Passava por torres de lixo eletrônico sem dar a mínima para nada, até dar de cara com uma ciber-raposa e seu mundo virar de ponta cabeça.
A ciber-raposa suspiro eterno lhe conta sobre o mundo em que vive. Na verdade o Novo Mundo. Uma cidade construída sobre o oceano chamada Munno. A partir dessa descoberta, todos começam a se organizar para deixar a ilha e partir rumo ao desconhecido para tentar uma vida um pouco menos conturbada.

"O peixe com o anel,
o sino, o pássaro e a árvore.
Quando eles se juntarem
A profecia da pedra se cumprirá, salve!" - Página 341.

Quando o livro chegou aqui em casa eu não esperava, mas gostei da capa e resolvi dar uma chance. E ao ler a sinopse o livro me interessou bastante, principalmente por tratar de um tema que bate à nossa porta: a inundação dos continentes pelos oceanos que não param de subir, a cada dia mais.
Apesar de saber que se tratava de um livro que se passa depois da virada do século de 2100, a primeira imagem que me veio a cabeça sobre os personagens, foi um bando de índios, de tanga e vivendo a paus e pedras. Não me pergunte o motivo. Talvez por se tratar de uma ilha, ou por ler na sinopse a palavra fogueira. Ou talvez eu seja uma doida de pedra mesmo.
Se eu não estiver pirada de vez, esse é o meu primeiro livro distópico. Não sabia o que esperar, afinal nem sabia que receberia, mas o tempo de leitura foi extremamente prazeroso.
Adorei as surpresas que foram sendo reveladas ao longo do livro. Quando tinha certeza de que algo iria acontecer minhas suspeitas caiam por terra e acontecia algo completamente surpreendente. Não me decepcionei em nenhum ponto, nem mesmo quando tudo parecia perdido.
Mara não é do tipo de personagem que espera no alto de uma torre que as coisas aconteçam e que o príncipe encantado apareça para resgatá-la. Nada disso, ela é forte e perseverante, o oposto dessas personagens dos livros que estamos acostumados a ler.
A ciber-raposa revelasse o personagem mais fofo #ever. Se eu contar quem é seria spoiler, mas arrisco dizer que vale a pena pagar o preço que for por esse livro. #TeamFox
Esse livro até renderia uma ótima adaptação cinematográfica, se bem elaborada, não é verdade?

Nota:





De qualquer forma essa estória está apenas começando. Haverão mais dois livros, que estou sabendo. Confira abaixo:

Zenith
Julie Bertagna,
Somente em inglês.

Sinopse: Como as calotas polares derretem e o mundo se afoga, Mara está na proa de seu navio, determinada a acreditar que em algum lugar há terra ainda. Mas uma cidade flutuante está prestes a jogá-la fora do curso. . .
E nas ruínas sob as torres de um céu da cidade, o menino ama Mara , planejando uma revolução solitário esperando pelo dia em que estarão juntos novamente. (Tradução livre.)

Aurora
Julie Bertagna,
Somente em inglês.
Sinopse: Grande parte da Terra está debaixo d'água - nas altas montanhas no topo do mundo Lily sobrevive com sua mãe e seu povo  ... mas ela se sente presa. Em outra parte, sob a exclusiva cidade do céuque se erguem acima das ondas, a Raposa está esperandotambém. Mas quando a Raposa e Lily, se encontram em um planovirtual, eles percebem que chegou o momento de agir. (Tradução livre.)

2 comentários:

  1. Parece um livro muito bom!
    A princípio, também gostei muito da capa. Fiquei bastante curiosa pra ler.
    As outras capas das continuações também são muito lindas!

    Ótima resenha!
    Beijos Nathi :*

    ResponderExcluir
  2. Ai Nathi! A história me pareceu bem legal. Fiquei curiosa para ler. Realmente as capas são bem bonitas mesmo, né!? Tomara que lancem as continuações em português logo! :D

    ResponderExcluir